O preço que Leonardo Vieira pagou por ser gay. Por Jean Wyllys

IMG_0863

A primeira vez em que vi Leonardo Vieira foi num concurso para atores do Domingão do Faustão (sim, sempre gostei de ver TV aberta, mesmo quando eu tinha de ir à casa de vizinhos para assistir às novelas e programas). Eu vivia na Bahia, não me lembro agora se ainda em Alagoinhas ou se já estava no colégio interno da Fundação José Carvalho. Encantou-me sua performance (e sua beleza!) naquele teste e eu torci por ele.

Anos mais tarde, ele protagonizou uma das novelas de Benedito Ruy Barbosa que mais me marcaram na vida: “Renascer”, que se passava na Bahia e que tinha no elenco, entre outros, duas atrizes pelas quais sou apaixonado e cujos talentos admiro muito (Patrícia França e Adriana Esteves). Leonardo se transformou numa febre e até repetiu a parceria com Patrícia França numa novela das seis que se passava em Curitiba.

A partir daí, devido aos meus estudos e trabalhos, não consegui mais acompanhar bem as demais novelas das quais ele participou na Globo. Mas, anos depois, eu o assisti no teatro numa montagem inventiva de “O Avarento”, de Molière, dirigida por Amir Haddad. Ele estava soberbo (e lindo, como sempre). O talento de Leonardo não era talhado só para a televisão. Eu vi um ator pronto para a arte nobre e viva que é o teatro. Depois de um tempo sem vê-lo em nenhuma produção televisiva, eu o vi nas chamadas de “Os Maias”, série da Globo dirigida por Luiz Fernando Carvalho (o mesmo que o dirigiu em “Renascer”) e adaptada por Maria Adelaide Amaral. Ele interpretaria Pedro da Maia. Bom, eu já havia lido o romance de Eça de Queirós e Pedro era meu personagem favorito. Sua dor, “seus olhos sempre postos a umedecer”, sua beleza tímida me tocavam e eu tinha certeza de que Leonardo Vieira o interpretaria com brilhantismo. E o fez.

Para mim, a imprensa brasileira não deu a ele o devido e merecido destaque, como o fez com Fabio Assunção e com Ana Paula Arósio. E eu já sabia por que o talento e brilhantismo dele não foram devidamente reconhecidos. E também já entendia por que, apesar de lindo (dentro dos padrões de beleza consagrados pela indústria cultural) e talentosíssimo; apesar de já ter sido dirigido por prestigiados diretores de teatro e de até já ter encenado uma peça do “maldito” mas cult Jean Genet e ter interpretado com excelência um michê em “Cronicamemte inviável”, de Sérgio Bianchi, Leonardo Vieira não estrelava campanhas publicitárias e deixara de protagonizar grandes produções televisivas.

Sim, eu, já ativista e gay assumido, sabia que Leonardo Vieira não tinha o merecido destaque no show business por causa dos rumores sobre sua até então suposta homossexualidade. A homofobia se expressa também assim: bastam rumores sobre uma suposta homossexualidade de alguém para que a homofobia opere de maneira sutil, fechando portas, estreitando caminhos, embaçando o brilho…

Mesmo sendo um homem gay, nunca me interessei em saber se ele era gay ou não; sempre me interessei pelo talento dele. Talvez eu pudesse me interessar em saber se ela era gay ou não apenas para, qualquer dia que o encontrasse, poder lhe dar uma cantada discreta, já que o acho lindo (mesmo sabendo que um homem lindo como ele não se interessaria por alguém tão comum como eu). Mas não. Sempre gostei de ver sua arte, de vê-lo no palco, de vê-lo em cena (o que me obrigou a assistir a alguns capítulos da produção sofrível da Record).

Não sou amigo de Leonardo. Acho que nos cumprimentamos uma vez só. Mas lamento que esse ator maravilhoso e discreto, e aparentemente uma pessoa bacana, esteja exposto dessa forma nas redes sociais, sujeito a essa mesma homofobia odiosa que me abate todos os dias e contra a qual eu luto todos os dias. Leonardo Vieira é um cidadão e um ator que merece respeito às suas escolhas e à sua privacidade. Todos merecemos! Reitero aqui minha admiração e minha solidariedade a ele e aproveito para compartilhar sua emocionante carta aberta: http://extra.globo.com/famosos/ator-leonardo-vieira-fala-de-homofobia-em-carta-aberta-nao-escolhi-ser-gay-20749481.html

Estou com você, Leonardo! Estamos juntos. Nós somos muitos, não somos fracos. Um abraço!

Do Facebook de Jean Wyllys.