O preço que Leonardo Vieira pagou por ser gay. Por Jean Wyllys

IMG_0863

A primeira vez em que vi Leonardo Vieira foi num concurso para atores do Domingão do Faustão (sim, sempre gostei de ver TV aberta, mesmo quando eu tinha de ir à casa de vizinhos para assistir às novelas e programas). Eu vivia na Bahia, não me lembro agora se ainda em Alagoinhas ou se já estava no colégio interno da Fundação José Carvalho. Encantou-me sua performance (e sua beleza!) naquele teste e eu torci por ele.

Anos mais tarde, ele protagonizou uma das novelas de Benedito Ruy Barbosa que mais me marcaram na vida: “Renascer”, que se passava na Bahia e que tinha no elenco, entre outros, duas atrizes pelas quais sou apaixonado e cujos talentos admiro muito (Patrícia França e Adriana Esteves). Leonardo se transformou numa febre e até repetiu a parceria com Patrícia França numa novela das seis que se passava em Curitiba.

A partir daí, devido aos meus estudos e trabalhos, não consegui mais acompanhar bem as demais novelas das quais ele participou na Globo. Mas, anos depois, eu o assisti no teatro numa montagem inventiva de “O Avarento”, de Molière, dirigida por Amir Haddad. Ele estava soberbo (e lindo, como sempre). O talento de Leonardo não era talhado só para a televisão. Eu vi um ator pronto para a arte nobre e viva que é o teatro. Depois de um tempo sem vê-lo em nenhuma produção televisiva, eu o vi nas chamadas de “Os Maias”, série da Globo dirigida por Luiz Fernando Carvalho (o mesmo que o dirigiu em “Renascer”) e adaptada por Maria Adelaide Amaral. Ele interpretaria Pedro da Maia. Bom, eu já havia lido o romance de Eça de Queirós e Pedro era meu personagem favorito. Sua dor, “seus olhos sempre postos a umedecer”, sua beleza tímida me tocavam e eu tinha certeza de que Leonardo Vieira o interpretaria com brilhantismo. E o fez.

Para mim, a imprensa brasileira não deu a ele o devido e merecido destaque, como o fez com Fabio Assunção e com Ana Paula Arósio. E eu já sabia por que o talento e brilhantismo dele não foram devidamente reconhecidos. E também já entendia por que, apesar de lindo (dentro dos padrões de beleza consagrados pela indústria cultural) e talentosíssimo; apesar de já ter sido dirigido por prestigiados diretores de teatro e de até já ter encenado uma peça do “maldito” mas cult Jean Genet e ter interpretado com excelência um michê em “Cronicamemte inviável”, de Sérgio Bianchi, Leonardo Vieira não estrelava campanhas publicitárias e deixara de protagonizar grandes produções televisivas.

Sim, eu, já ativista e gay assumido, sabia que Leonardo Vieira não tinha o merecido destaque no show business por causa dos rumores sobre sua até então suposta homossexualidade. A homofobia se expressa também assim: bastam rumores sobre uma suposta homossexualidade de alguém para que a homofobia opere de maneira sutil, fechando portas, estreitando caminhos, embaçando o brilho…

Mesmo sendo um homem gay, nunca me interessei em saber se ele era gay ou não; sempre me interessei pelo talento dele. Talvez eu pudesse me interessar em saber se ela era gay ou não apenas para, qualquer dia que o encontrasse, poder lhe dar uma cantada discreta, já que o acho lindo (mesmo sabendo que um homem lindo como ele não se interessaria por alguém tão comum como eu). Mas não. Sempre gostei de ver sua arte, de vê-lo no palco, de vê-lo em cena (o que me obrigou a assistir a alguns capítulos da produção sofrível da Record).

Não sou amigo de Leonardo. Acho que nos cumprimentamos uma vez só. Mas lamento que esse ator maravilhoso e discreto, e aparentemente uma pessoa bacana, esteja exposto dessa forma nas redes sociais, sujeito a essa mesma homofobia odiosa que me abate todos os dias e contra a qual eu luto todos os dias. Leonardo Vieira é um cidadão e um ator que merece respeito às suas escolhas e à sua privacidade. Todos merecemos! Reitero aqui minha admiração e minha solidariedade a ele e aproveito para compartilhar sua emocionante carta aberta: http://extra.globo.com/famosos/ator-leonardo-vieira-fala-de-homofobia-em-carta-aberta-nao-escolhi-ser-gay-20749481.html

Estou com você, Leonardo! Estamos juntos. Nós somos muitos, não somos fracos. Um abraço!

Do Facebook de Jean Wyllys.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

COMPARTILHAR