A lição de Kirk Douglas, o homem que ajudou a acabar com a lista negra em Hollywood. Por Kiko Nogueira

Kirk Douglas em “Spartacus”

Kirk Douglas, o último da era de ouro de Hollywood, o galã do furo no queixo, morto hoje aos 103 anos, era também um campeão das boas causas e um exemplo de coragem e altivez.

Em 1960, ele acabou com a lista negra como produtor e estrela do épico “Spartacus”, dirigido por Stanley Kubrick, vencedor de um Oscar.

Douglas insistiu que o nome do roteirista Dalton Trumbo, seu amigo, aparecesse nos créditos.

Até então, o socialista Trumbo só podia assinar com pseudônimo por causa da caça às bruxas dos anos 40 e 50 que acabou com a carreira e a vida de diversos artistas.

Em 2015, quando foi lançada a cinebiografia “Trumbo”, Kirk deu um depoimento sobre aqueles dias.

Como de hábito em se tratando de grandes homens e grandes feitos, serve hoje para nós, mais do que nunca, e sempre:

“Como atores, é fácil interpretarmos o herói. Temos que lutar contra os bandidos e defender a justiça. Na vida real, as escolhas nem sempre são tão claras.

A lista negra de Hollywood, recriada poderosamente na tela em ‘Trumbo’, foi uma época que me lembro bem. As escolhas eram difíceis.

As consequências foram dolorosas e muito reais. Durante a existência da lista negra, tive amigos que se exilaram quando ninguém os contrataria; atores que cometeram suicídio em desespero.

Minha jovem co-estrela em ‘Detective Story’ (1951), Lee Grant, não conseguiu trabalhar por 12 anos depois que se recusou a testemunhar contra o marido perante o Comitê de Atividades Anti-Americanas da Câmara.

Fui ameaçado pelo fato de usar um escritor da lista negra em ‘Spartacus’ – meu amigo Dalton Trumbo. Isso me marcaria como um “amante dos comunistas” e encerraria minha carreira.

Há momentos em que é preciso defender princípios. Estou tão orgulhoso dos meus colegas atores que usam sua influência pública para se manifestar contra a injustiça.

Aos 98 anos, aprendi uma lição da história: ela se repete com muita frequência. Espero que ‘Trumbo’, um belo filme, lembre a todos nós que a lista negra foi uma época terrível em nosso país, mas que devemos aprender com ela para que nunca mais aconteça”.

View this post on Instagram

It is with tremendous sadness that my brothers and I announce that Kirk Douglas left us today at the age of 103. To the world he was a legend, an actor from the golden age of movies who lived well into his golden years, a humanitarian whose commitment to justice and the causes he believed in set a standard for all of us to aspire to. But to me and my brothers Joel and Peter he was simply Dad, to Catherine, a wonderful father-in-law, to his grandchildren and great grandchild their loving grandfather, and to his wife Anne, a wonderful husband. Kirk's life was well lived, and he leaves a legacy in film that will endure for generations to come, and a history as a renowned philanthropist who worked to aid the public and bring peace to the planet. Let me end with the words I told him on his last birthday and which will always remain true. Dad- I love you so much and I am so proud to be your son. #KirkDouglas

A post shared by Michael Douglas (@michaelkirkdouglas) on

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!