Atos contra Bolsonaro vão resgatar o verde e amarelo, hino nacional e terão a presença do MBL com partidos de esquerda

Militante mostra cartaz contra Bolsonaro
Protestos contra Jair Bolsonaro do 19J
Não por acaso Kakay irritou Bolsonaro com suas participações no protestos contra o governo federal.
Foi o criminalista (veja o vídeo no final do artigo) quem primeiro defendeu que o país tinha de resgatar sua bandeira e as corres verde e amarelo que se tornaram símbolo do bolsonarismo de extrema-direita.

Leia mais: 

1. Sentindo-se ofendido por ser chamado de “fascista”, Bolsonaro ataca Kakay

2. Itaú quer 3a via, mas com pauta bolsonarista
3. Em decisão, juiz bolsonarista fala sobre “se relacionar com putas” e ataca Jean Wyllys
Agora, os organizadores dos atos contra Bolsonaro que vão ocorrer em 2 de outubro decidiram que vão levar às ruas as cores da bandeira e também o hino nacional.
“A ideia é que o hino e a bandeira do Brasil sejam resgatados pelo campo republicano. Não faz sentido permitir que sejam apropriados pelas manifestações fascistas”, disse à Folha o Fernando Guimarães, coordenador do Direitos Já.
Os protestos, que acontecem neste sábado, são esperados em pelo menos 76 cidades e devem se concentrar em capitais dessa vez.
Dirigentes do PT, PSOL, PC do B, PSB, PDT, Rede, PV, Cidadania e Solidariedade, além de centrais sindicais e de movimentos populares, participaram das tratativas.

MBL com partidos de esquerda

As manifestações tentam levar para as ruas um caráter mais amplo.
Os MBL está participando como convidado.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!