Mais da metade dos eleitores de Bolsonaro não votariam nele de novo, diz pesquisa

Bolsonaro não será mais pressionado para se vacinar
Pesquisa revela que Jair Bolsonaro está derretendo cada dia mais – Foto: Sérgio Lima/AFP

Bolsonaro está derretendo e já perdeu metade de sua base eleitoral, segundo pesquisa Genial/Quaest. Só 52% dizem que votariam novamente no governante brasileiro. Dos arrependidos, 21% dos eleitores dizem que vão migrar para o presidente Lula. Ciro Gomes tem 8%, Doria 7% e brancos e nulos representam 12%.

Quem votou em Haddad no segundo turno em 2018, 79% votariam em Lula e só 1% vão optar pelo mandatário. É mais uma comprovação que o chefe do executivo brasileiro está perdendo aliados.

Bolsonaro em queda e Lula em crescimento

Pesquisa Genial/Quaest de outubro mostra que presidente perdeu eleitores para Lula (PT) entre os que votaram nele no segundo turno de 2018.

21% dos que escolheram Bolsonaro para presidente no segundo turno migrariam para Lula.

52% ainda escolheriam o atual mandatário, enquanto 12% dizem que votariam em branco, nulo ou ainda não sabem responder.

Já entre os que votaram em Fernando Haddad no segundo turno, 79% votariam em Lula e apenas 1%, em Bolsonaro. Outros 12% escolheriam Ciro Gomes (PDT-CE), 3%, João Doria (PSDB-SP), e 5% votariam branco ou nulo.

Leia mais:

1 – Advogada de Barusco deixou o Brasil pouco após delação manipulada por Dallagnol

2 – VÍDEO: Armado, deputado bolsonarista persegue assaltante em SP

3 – Médicos da Prevent Senior podem responder criminalmente

Jovens não querem votar no Bolsonaro

Para 45% dos eleitores e 16 a 34 anos não há hipótese de votar no presidente em 2022. A informação é da pesquisa Ipec. Eles dizem que votam em qualquer outro candidato, independente da ideologia. Isto porque estão insatisfeitos com a questão econômica.

A alta da inflação e a dificuldade para conquistar emprego são dois motivos para a rejeição do presidente com os jovens. “Antes do governo Bolsonaro, nunca precisei deixar de comer alguma coisa pelo preço. Nunca vi os alimentos tão caros”, disse a analista de transportes Gisele Caires. Ela deu entrevista para o Estadão.

Os eleitores desta faixa que pretendem votar em Bolsonaro não passam dos 24%. Na eleição passada, ele tinha 31% da preferência deste público. “É impossível que haja um candidato que me represente menos”, afirmou o locutor Felipe Tellis, de 29 anos.