Bolsonaro deveria ser barrado na ONU, diz epidemiologista de Harvard

Bolsonaro em discurso na ONU
Bolsonaro pretende criticar vacinação obrigatória na ONU

Para Eric Feigl-Ding, um dos maiores epidemiologistas do mundo, Jair Bolsonaro deveria ser barrado na Assembleia Geral da ONU. 

Para ele, o presidente desafiou o prefeito de Nova York, Bill de Blasio. “Os Estados Unidos deveriam repensar se devem admitir a entrada de Bolsonaro se ele deliberadamente pretende violar as leis do país”.

“Se alguém mais tentar entrar nos Estados Unidos e declarar previamente seus planos de violar as leis americanas, não acho que seria admitido. É um perigo público”, prossegue.

Leia também:

1 – Eric Feigl-Ding aponta risco e incidência de covid entre crianças e adolescentes no Brasil

2 – “Brasil está sofrendo genocídio”, diz um dos maiores epidemiologistas do mundo direto dos EUA

Bolsonaro conseguiu permissão da ONU para participar de evento sem estar vacinado

A ONU confirmou que não vai exigir prova de vacinação contra covid-19 na próxima Assembleia-Geral.

Havia dúvidas quanto à exigência. Na quarta (15), as delegações haviam recebido uma carta do chefe da atual da sessão da Assembleia. Autoridades diziam que a prova de vacinação deveria ser exigida para eventos fechados, o que inclui a cúpula da ONU.

Mais tarde, porém, o secretário-geral António Guterres disse que não poderia cobrar o certificado dos líderes globais.

Mais de 100 chefes de Estado são esperados presencialmente para o evento em Nova York, entre eles o brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido). O presidente já afirmou diversas vezes que não se vacinou contra a doença, que já matou 4,7 milhões pessoas pelo mundo.

Em transmissão por redes sociais nesta quinta, ele indicou que não pretende se vacinar antes do evento.