Bolsonaro quer evitar candidatura de Moro: “De olho no eleitor”

Nova estratégia do presidente envolve o ex-juiz e João Doria

Atualizado em 26 de janeiro de 2022 às 13:28
Bolsonaro e Moro
Foto: Alan Santos

O presidente Jair Bolsonaro elaborou uma nova estratégia para tentar engajar de vez sua candidatura ao Palácio do Planalto. Com medo do ex-juiz Sergio Moro, o mandatário mira suas forças no ex-ministro.

Segundo apurou o DCM, o chefe do Executivo identificou que Moro rouba mais eleitores dele do que o o governador de São Paulo, João Doria, caso seja o principal nome da chamada “terceira via”. A ideia é boicotar o ex-juiz e transformar o tucano o número um, fora da disputa entre ele e o ex-presidente Lula.

O pedido de Bolsonaro foi para o “gabinete do ódio”. O presidente quer desgastar a imagem do presidenciável do Podemos no caso da consultoria norte-americana Alvarez & Marsal (A&M). O caso é alvo de um processo no TCU. A investigação foi aberta para apurar se houve conflito de interesses na atuação de Moro no escritório, já que o A&M atuou para empresas que foram alvos da Lava-Jato.

Leia também:

1- Randolfe testa positivo para Covid-19: “Sem sintomas graças à vacina”

2- “Terrivelmente evangélico”, Mendonça estreia no STF com caso sobre violência policial

3- Negacionista nega oxigênio e morre de Covid-19 na Itália

Estratégia falha de Bolsonaro

Com Doria liderando entre a “terceira via”, Bolsonaro cresceria nas pesquisas. Pelo menos é o que pensa o mandatário.

Pesquisas internas encomendadas pela XP Investimentos em dezembro, no entanto, apontam que o ex-juiz teria potencial para “roubar” cerca de 7% dos eleitores do presidente.

Com Lula disparado nas pesquisas, Bolsonaro teria que trabalhar dobrado durante a campanha eleitoral, mesmo com Moro fora do páreo. O foco do mandatário é fazer com que o ex-ministro seja candidato ao Senado, porém ele já negou que tenha esse desejo.

“O Doria é mais rejeitado pelos bolsonaristas do que o Moro. Tirar o ex-juiz do páreo é um objetivo. Tudo de olho no eleitor”, disse um aliado do Centrão ao DCM.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link