“Bolsonaro, você não é bem-vindo”: o protesto dos indianos na data cívica mais importante deles

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, assistiu às comemorações da festa nacional da Índia, ao lado do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, neste domingo (26). Prakash SINGH / AFP

Publicado originalmente no site da RFI

POR CÔME BASTIN

O Dia da República indiano é celebrado em 26 de janeiro e, neste ano, contou com a presença do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. Em visita oficial ao país, ele é o convidado de honra para as comemorações neste domingo (26), o que revoltou parte da população devido às suas declarações machistas e sua política sobre a Amazônia, que tiveram forte repercussão no país.

Muitos indianos estão insatisfeitos com a participação de Bolsonaro nas celebrações do Republic Day, a festa que celebra a independência do país. O presidente brasileiro chegou na sexta-feira (24) à Nova Délhi, assistiu à marcha militar ao lado de personalidades políticas e sua visita é alvo de protestos nas ruas e nas redes sociais.

Para parte da população, o perfil político e a personalidade de Bolsonaro não são bem vistos, especialmente devido a declarações misóginas, em um país onde o machismo e os estupros de mulheres revoltam a opinião pública. A política do presidente brasileiro na Amazônia também é criticada por ativistas ambientais indianos.

“Bolsonaro, vá embora”

A chegada do líder brasileiro foi marcada por manifestações. Na cidade de Mumbai, ativistas ambientais se reuniram e exibiram cartazes com dizeres: “destruidor da Amazônia não é nosso convidado”, “quem matou Marielle Franco?”, ou ainda “Bolsonaro, vá embora”.

A organização ambientalista The Clean Project, baseada na capital indiana, lançou uma campanha virtual, com as hashtags #BoycottBolsonaro e #AmazonForestDestroyer (destruidor da Floresta Amazônica). “Não sei porque nosso primeiro-ministro o convidou. Essa pessoa não é bem-vinda na Índia”, declarou a militante Pooja Damodia às agências de notícias.

Personalidades políticas progressistas também reclamam da visita de Bolsonaro. Membro do Partido Comunista indiano, o parlamentar Binoy Viswam escreveu ao primeiro-ministro Narendra Modi para anunciar que boicotaria a cerimônia da festa nacional, do qual era convidado. Segundo ele, o governo do presidente brasileiro é “contrário ao espírito da Constituição da Índia”, celebrada neste domingo.

Acordos bilaterais assinados

Junto ao primeiro-ministro indiano, Bolsonaro assinou uma série de acordos bilaterais no sábado (25), nas áreas de ciência, tecnologia e energia, com a promoção de biocombustíveis, além de segurança cibernética. Uma eventual parceria na indústria automotiva também foi cogitada. Segundo Bolsonaro, Modi mencionou a possibilidade de fabricar veículos flex em fábricas da Índia.

No total, os dois países assinaram outros 15 atos de cooperação e expressaram apoio mútuo ao ingresso no Conselho de Segurança da ONU. Ambos pleiteiam uma vaga de membro não permanente na organização para um mandato de dois anos, entre 2022 e 2023. “Acredito que seria bom para o Brasil e para o mundo Brasil e Índia estarem nesse grupo”, disse Bolsonaro.

O presidente brasileiro está acompanhado de ministros e empresários, inclusive do setor de armas, produto do qual a Índia é um dos maiores compradores mundiais. Na segunda-feira (27), Bolsonaro participará da abertura do seminário empresarial Brasil-Índia e visitará o monumento Taj Mahal.

LEIA MAIS – Na Índia, agricultores protestam contra presença de Bolsonaro: “Corrupto e repressivo”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!