Brasil enfrenta duas ‘pestes’: a Covid e Bolsonaro, diz Raí a revista francesa

Manchete da revista semanal L’Humanité Dimanche traz reportagem com Rai seu apelo para salvar o Brasil © Reprodução

Publicado na RFI

A revista francesa L’Humanité Dimanche traz em sua edição desta semana uma longa reportagem com o ex-jogador de futebol Raí, que ilustra a capa da publicação. O brasileiro, adorado na França desde a sua passagem pelo Paris Saint-Germain nos anos 1990, critica abertamente o governo de Jair Bolsonaro que, segundo ele, representa uma política “imbecil”.

LEIA – O paraíso e o maior jogador de futebol de todos os tempos. Por Walter Falceta Jr.

“Raí se recusa a ver seu país afundar”. É assim que a revista resume o longo texto no qual o ex-jogador desabafa sobre o contexto atual brasileiro.

LEIA MAIS – Ditadura monitorou jogadores do Atlético-MG. Por Aloisio Morais

O ex-craque do PSG fala sobre desigualdades sociais, CPI, defesa da Amazônia, manipulação da informação, mas principalmente da luta contra a pandemia. “Estamos muito preocupados e indignados diante dessa situação. Há uma estratégia de comunicação com fake news, com discursos que negam a ciência, que dissimulam e negam o tamanho e os efeitos da crise sanitária”, lança Raí.

“No começo, ninguém podia imaginar a gravidade e as consequências dessa pandemia. Porém, quando as evidências científicas foram estabelecidas, Bolsonaro e os que o cercam escolheram deliberadamente continuar no caminho da negação”, denuncia.

Ele também lembra que além do impacto sanitário, a pandemia teve consequências econômicas, que coincidiram com uma lógica de recuo nas políticas de distribuição de riquezas que já estava em andamento. “A ideia de um país justo e digno para todos foi destruída”, se desola, denunciando o que chama de “política imbecil”, contra a vida, contra o meio ambiente e que “designa qualquer opositor como um inimigo”. Segundo ele, “o objetivo é instalar o ódio e um clima de guerra”.

“Nós conhecíamos os riscos que pairavam sobre a democracia. Mas não pensávamos que a coisa poderia ir tão longe”, analisa. “Os que cuidam da democracia não tinham ideia do perigo que representava o uso, pela extrema direita, das tecnologias”, continua Raí, em alusão à utilização da informática e dos algoritmos para a difusão de ideias e informações falsas como aconteceu, segundo ele, no caso da eleição de Donald Trump ou ainda o Brexit.

Para Raí, a crise sanitária acabou revelando “outra peste” a ser tratada: De um lado, temos “o coronavírus que ataca nossa saúde, nosso corpo, nossas defesas imunológicas”. Do outro, “Bolsonaro e os que os cercam, seu governo e seus políticos, atacam a ciência, a educação, as artes, os direitos humanos, o meio ambiente e a diversidade. Eles destroem a imunidade do nosso corpo social”, define. Para o ex-jogador, essa “outra peste” deve ser enfrentada por meio da mobilização cidadã.

Raí afirma que, às vezes, os brasileiros são “muito bonzinhos” e que a “alegria de viver”, admirada pelo mundo, pode fazer com que os assuntos sérios sejam deixados de lado. Mas, segundo ele, “há um clima de revolta” atualmente no Brasil, pois “todas as áreas que representam um potencial de desenvolvimento para a nossa sociedade foram abandonadas”.

Por essa razão, “os que acreditam na ciência, os artistas, o mundo da cultura, os professores, devem continuar participando das mobilizações”, convoca Raí nas páginas da revista L’Humanité Dimanche. 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!