TJ do Rio autoriza a quebra de sigilo fiscal e bancário de Carlos Bolsonaro

Carlos Bolsonaro sentado conversando
Carlos Bolsonaro. Foto: Reprodução/YouTube

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ordenou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Carlos Bolsonaro. O vereador do Rio é investigado em inquérito sobre contratação de funcionários “fantasmas” no gabinete dele. Outras sete empresas e 26 pessoas também tiveram os sigilos quebrados.

É a primeira vez que o MP-RJ aponta possível esquema de “rachadinha” no gabinete de Carlos. O pedido foi feito pelo Ministério Público à Justiça. Eleito pela primeira vez em 2001, o vereador está em seu sexto mandato. Durante esse período, ele já nomeou dezenas de pessoas.

O regulamento da Câmara diz que os assessores precisam cumprir jornada de trabalho de 40 horas semanais. Só que há indícios que vários desses assessores não cumpriam o expediente. Por conta disso, eles podem ser considerados funcionários “fantasmas”.

A investigação começou em 2019 e agora os promotores apontam possibilidade de prática de “rachadinha” no gabinete do filho do presidente. A quebra dos sigilos é para saber se houve contratação de funcionários fantasmas.

Leia mais:

1 – Guilherme Boulos: o novo rosto do PSOL

2 – Em plena pandemia, veja as bilionárias brasileiras

3 – Grupo de Boulos vence e PSOL fica mais perto de apoiar Lula em 2022

Carlos Bolsonaro e seu irmão Flávio

A família Bolsonaro é alvo de várias investigações da Justiça. De rachadinha, não é a primeira vez. O senador Flávio também é alvo das autoridades por suposto esquema de rachadinha no período que era deputado.

Ele se diz inocente, mas tem tentado travar as investigações o tempo todo. Assim como seu pai. Antes crítico do fórum privilegiado, agora o senador tem usado a “arma” para se proteger da Justiça.

Muito dinheiro

O MP suspeita que Carlos manteve e usou grandes quantias de dinheiro vivo ao longo dos seus mandatos. E ainda apontou três práticas. Em 2003, ele pagou R$ 150 mil em espécie na compra de um apartamento na Barra da Tijuca.

Em 2009, ele entregou R$ 15 mil, também em dinheiro vivo, para pagar um prejuízo que acabou tendo em ações da bolsa de valores. Já no ano passado, declarou ao TSE ter R$ 20 mil em espécie guardados em casa.

No relatório do pedido da quebra de sigilo, há uma citação de um relatório do COAF apontando duas operações suspeitas envolvendo o filho do presidente.

Lavagem de dinheiro e núcleos envolvidos

O MP ainda aponta possível lavagem de dinheiro e seis núcleos envolvidos no esquema. O vereador se defendeu e disse que vai prestar qualquer esclarecimento à Justiça.