Depoente da CPI, Emanuel Catori é sócio de empresa que ofereceu vacina à Saúde

Emanuel Catori, o depoente da CPI nesta terça (23)
Emanuel Catori, o depoente da CPI nesta terça (23). Foto: Reprodução

A CPI da Covid ouve, nesta terça (24), Emanuel Catori, sócio da farmacêutica Belcher.

A empresa intermediou a negociação de vacinas do laboratório CanSino com o Ministério da Saúde.

Foram 60 milhões de doses da vacina Convidencia a R$ 5 bilhões.

A suspeita da comissão é de que Ricardo Barros tenha facilitado a venda da vacina para o governo Bolsonaro.

Em depoimento, o deputado negou, mas diz que “pode ter buscado auxiliar” tanto a Belcher como outras empresas.

O objetivo da comissão é apurar “os detalhes das negociações para a venda da vacina chinesa Convidecia”, segundo o requerimento.

O pedido de convocação foi feito por Randolfe Rodrigues, vice-presidente da CPI.

Ele afirma que Catori “fez transmissões online com os empresários Luciano Hang e Carlos Wizard para tratar da venda da vacina para o Brasil”.

Leia também:

1 – Empresário de Maringá, feudo de Ricardo Barros, cuida de compra e distribuição de vacinas contra covid

2 – Véio da Havan está até no rolo da vacina. Por Moisés Mendes

Além da CPI, farmacêutica também é investigado por superfaturamento

A Belcher também é alvo da Operação Falso Negativo, da Polícia Civil.

A suspeita é que houve superfaturamento na compra de testes rápidos para covid-19.