Conheça o Crítica Nacional, de Paulo Enéas, site bolsonarista de fake news financiado por Fakhoury

Veja Otávio Fakhoury
Otávio Fakhoury.
Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

O DCM fez um perfil do editor e do site Crítica Nacional em maio de 2021. Recuperamos agora. Nesta quinta (30), a CPI da Covid ouve seu financiador, o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury. Crítica Nacional fez discurso contra a vacinação.

LEIA MAIS:

1 – “Expus minha família para que outras famílias LGBT não sofram o que sofremos”, diz Contarato sobre surra moral em Fakhoury

2 – VÍDEOS: mulher chama Bolsonaro de genocida durante discurso em Belo Horizonte

3 – DCM Ao Meio-Dia: Contarato desossa empresário bolsonarista na CPI; Fakhoury ataca vacinas

O que é o Crítica Nacional?

O senador Randolfe Rodrigues, em sua fala na CPI da Covid durante o depoimento de Dimas Covas nesta quinta (27), mencionou um blogueiro bolsonarista que fez um discurso antivacinação em um evento da Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG).

Trata-se de Paulo de Oliveira Eneas, editor do site bolsonarista Crítica Nacional.

A página é apoiada pelo empresário Otávio Fakhoury, investigado pelo STF no Inquérito das Fake News.

“Muitas das desinformações foram disseminadas por esse senhor Paulo Eneas. Ele deveria vir para a CPI”, disse Randolfe ao diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. “Ele esteve em um evento oficial de uma instituição da diplomacia falando contra a vacina”, frisou.

Em 18 de maio, o site Crítica Nacional, de Eneas, atacou o senador Rogério Carvalho. O parlamentar denunciou o discurso negacionista de Paulo Eneas sobre o uso de máscaras e do papel da OMS na pandemia.

A Fundação Alexandre de Gusmão foi criada em 1971, durante a ditadura militar chefiada na época por Emílio Garrastazu Médici, para realizar e promover atividades culturais e pedagógicas no campo das relações internacionais. Com Bolsonaro no poder, além da passagem de Ernesto Araújo pelo cargo de chanceler, a FUNAG passou a ser ocupada por extremistas fiéis ao presidente.

O professor de Direito Evandro Pontes deu palestras lá por ajuda de Filipe G. Martins, o assessor que faz a ponte do governo com Olavo de Carvalho. Na época que se apresentou na fundação, Pontes tinha pretensões de prosperar na Era Jair Bolsonaro com cargo dentro da AGU e outras instituições. Nunca conseguiu e só permaneceu em veículos de comunicação bolsonaristas, como a Rádio Shockwave.

Seguindo o exemplo de Pontes, Paulo Eneas deu uma palestra Fundação Alexandre de Gusmão em 9 de setembro de 2020 com o tema “conjuntura internacional no pós-coronavírus”. Na ocasião, o Brasil ainda não tinha passado pela segunda onda.

Eneas disse o seguinte:

“O que o Estado deve fazer com quem não quer se vacinar? Minha resposta é: Nada. Não pode o Estado impor a vontade de tomar medicamento a um indivíduo. O que acontece é que o Estado proíbe o indivíduo de tomar um determinado medicamento. Estamos observando dois fenômenos completamente opostos. São diretamente contrários ao princípio de liberdade (…). No caso da cloroquina em relação à covid. É óbvio que tem algumas pessoas com a decisão já tomada. Há um certo risco com a cloroquina e eu não quero tomar esse risco. Está no âmbito da liberdade tomar alguns riscos. Quando eu falo do Estado, falo no sentido amplo, de governadores e prefeitos. O Estado subtraiu do indivíduo o direito da decisão e tomou por ele. Na prática impedindo o acesso ao medicamento, a Anvisa impedindo a receita e os prefeitos e governadores sequestraram o medicamento, apesar do presidente da República ter ordenado ao Exército a sua produção”.

Esse foi o discurso de Paulo Eneas, que foi incorporado pelos bolsonaristas. É assim que eles defendem o uso da cloroquina e do “tratamento precoce”, sem efetividade contra covid segundo diferentes estudos científicos, e se colocam contra a vacinação. E assim chegamos na segunda onda de mortes e uma possível terceira – e ao número de mais de 450 mil óbitos.

O site Crítica Nacional tem 131 mil seguidores no Twitter, replicando discursos do guru Olavo de Carvalho.

Confira a palestra e o discurso negacionista de Paulo Eneas abaixo.