Damares não responde pergunta e ameaça jornalista na ONU

Damares Alves ameaçou

Atualizado em 28 de fevereiro de 2022 às 12:41
Jamil Chade
Jamil Chade: Damares não responde pergunta e ameaça jornalista na ONU. Foto: Reprodução/Twitter

O jornalista Jamil Chade, correspondente internacional do UOL, relatou uma agressão da ministra Damares Alves no Twitter: “Na ONU, fui perguntar para Damares como ela considerava a questão do conflito na Ucrânia”.

“Ela me respondeu que não falava comigo. Quando eu perguntei o motivo de sua recusa, ela respondeu que se eu insistisse ela ‘chamaria a segurança’!”, acrescentou.

LEIA MAIS:

1 – Jamil Chade é ameaçado após revelar busca do gabinete do ódio por ferramenta espiã
2 – “Anvisa, tem um sujeito que nunca respeita os protocolos”, diz Jamil Chade, sobre Bolsonaro
3 – Jamil Chade dá CV de novo chanceler: “nunca foi sequer chefe de departamento”

Jornalista dá mais detalhes

Jamil escreveu mais sobre o evento em sua coluna no UOL: “A ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos, Damares Alves, fez um discurso nesta segunda-feira na abertura do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Mas, ao contrário de dezenas de autoridades, se limitou a transformar sua participação numa apresentação de programas do governo de Jair Bolsonaro.

A ministra não citou em nenhum momento o conflito armado de forma explícita, e apenas insistiu que o presidente Jair Bolsonaro defende a paz ‘em todos os países do mundo’.

Ignorando o gesto de ‘arminha’ do presidente e seu discurso de ódio, ela destacou como ‘o presidente sempre promove a paz'” (…).

“Damares permaneceu por menos de duas horas na sala da ONU e sequer esteve presente quando a alta comissária de Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, tomaram a palavra. A ministra só retorna ao Brasil na quinta-feira.

Sua participação na ONU ocorreu num momento de tensão internacional e quando a própria agenda do Conselho se volta à guerra e suas consequências. Dezenas de ministros tomaram a palavra antes e depois de Damares, com amplo foco na crise ucraniana”.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link