“Devemos ser amigáveis com todos, mas não venerar ninguém”: Charlotte Brontë sobre a vida, a solidão e a condição feminina. Por Camila Nogueira

Brontë
Brontë

Charlotte Brontë (1816 – 1855) foi uma das maiores escritoras da Era Vitoriana, assim como suas irmãs mais novas, Emily e Anne. As frases a seguir foram retiradas de Jane Eyre, Villette e Shirley, três de seus romances.

Miss Brontë, o que devemos estabelecer como nosso objetivo de vida?

O objetivo de vida de uma pessoa deve ser cuidar de si mesma.

Hmmm…

Quanto mais solitária, quanto mais sem amigos, quanto mais desamparada estiver, mais deve se respeitar.

Mas a solidão não é algo terrível?

O risco, a solidão e um futuro incerto não são males opressivos, desde que tenhamos uma boa saúde e sejamos inteligentes; especialmente, desde que a Liberdade nos empreste as suas asas e a Esperança nos guie através de sua estrela.

Qual a sua opinião sobre a vida?

Eu acredito, em meu coração, que devemos valorizar a vida e aproveitá-la enquanto a retivermos. A existência não foi feita para ser aquela coisa inútil, branda, pálida e lenta que se torna para muitos.

Como devemos nos relacionar com aqueles com quem convivemos?

Devemos ser amigáveis com todos, mas não venerar ninguém.

É recomendável que sejamos amigáveis com aqueles que não o são conosco?

Seja boa com aqueles que são bons para você. Isso é tudo que sempre desejei para mim. Se as pessoas fossem sempre boas e obedientes com aqueles que são perversos e injustos, os maus teriam tudo a seu modo. Nunca sentiriam medo e assim nunca mudariam, mas se tornariam piores.

E quanto à condição feminina?

Em geral, supõe-se que as mulheres devem ser calmas e plácidas, porém nós sentimos o mesmo que os homens. Precisamos de exercício para nossas faculdades mentais e campo para nossos esforços. Sofremos com restrições muito rígidas e com a estagnação absoluta – tanto quanto os homens sofreriam na mesma situação. Dizer que devemos nos limitar a fazer pudins, tricotar meias, tocar piano e bordar bolsas é uma estreiteza de mente.

A senhorita pensa que os homens não são capazes de compreender inteira e adequadamente as mulheres?

Se os homens pudessem nos enxergar como de fato somos, eles ficariam surpresos; mas mesmo os homens mais inteligentes e perspicazes tendem a nutrir uma espécie de ilusão a respeito das mulheres: para o bem ou para o mal, eles não nos compreendem – aquilo que entendem como uma boa mulher é um ser estranho, meio boneca, meio anjo; e o que veem como uma má mulher é quase sempre um demônio.

Algo a acrescentar?

Sempre prefira ser feliz a manter o amor-próprio. A vida me parece muito curta para que a gastemos nutrindo animosidades ou recordando erros.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

COMPARTILHAR
Camila Nogueira
Aos 19 anos, Camila Nogueira estuda Letras na USP. Já aos 10 anos, constatou que seus maiores interesses na vida consistiam em sua família, em cerejas e em Machado de Assis. Em uma etapa posterior, adicionou à sua lista ópera italiana e artistas coreanos.