Doria quer sair do PSDB para tentar a presidência por partido nanico de aluguel

Geraldo e Doria em foto de estúdio
Geraldo e Doria: um fica e o outro sai
Eletrizante a conjuntura no PSDB.

Primeiro: João Doria já perdeu as prévias para a presidência. A vaga vai ficar com Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul.

Mas não é isso que admira.

O que salta é o desfecho de Doria, o provável perdedor – neste caso, quer sair do PSDB, levar o vice Rodrigo Garcia como candidato a governador do Estado e bater chapa com Lula e cia na corrida pelo Planalto.

Leia mais:

1. Por que Alckmin ainda não escolheu um partido para disputar o governo de SP

2. Deputado que vota com o governo conta ao DCM por que Bolsonaro é carta fora do baralho em 2022

3. Isolamento político afasta as chances de Doria vencer as prévias do PSDB

Seria, digamos, uma saída honrrosa para o gestor. Dinheiro não é problema, ele tem o suficiente para bancar a aventura e ainda sobrar para as próximas gerações.

Seria, também, uma situação inédita na história: Rodrigo Garcia, que assumiria o governo com a renúncia de Doria para disputar a presidência, estaria apto para continuar no mandato mesmo mudando de partido novamente?

Outras fantasias alimentam o quadro: a mais quente é de que além do autofinanciamento por Doria e Rodrigo ambas as campanhas receberiam dinheiro do exterior.

Quanto ao partido não há definição. O óbvio é um desses nanicos de aluguel.

Por que Doria rodou?

Está difícil convencer os leigos de que Doria não estará nas urnas com o número 45 como candidato a presidente no ano que vem.

A lógica do PSDB nacional de vetar o seu nome se sustenta, além de outros detalhes, no que a legenda imagina ser uma certeza: com Geraldo Alckmin o partido renova mais um mandato no estado, com Rodrigo Garcia, como insiste ele, perde.

Era Tancredo que dizia que cena política é como núvem, agora está assim daqui a pouco já mudou?

Tudo pode acontecer no partido dos tucanos, mas o desenho que mais se aproxima no  horizonte neste momento é o da lógica invertida: Geraldo que ia sair fica, e Doria que ia ficar, sai.

Triste fim para os 2.