E se Cantanhede e Gandour fossem sinceros no Fórum da Liberdade de Imprensa?

Os dois
Os dois

 

Imagine que os jornalistas Ricardo Gandour, diretor do Estadão, e Eliane Cantanhede, colunista da Folha, fossem por um dia sinceros.

O que eles diriam num fórum sobre liberdade de imprensa, como o que está em curso em Brasília?

A primeira coisa, num espasmo de sinceridade, seria: liberdade de imprensa não pode ser liberdade de um grupo pequeno de famílias ricas que monopolizam a mídia brasileira.

“Vejam, amigos”, diria Eliane, tomada de honestidade. “A Globo, líder do mercado, praticou uma sonegação bilionária na Copa de 2002. Meu jornal fez uma matéria porque o jornalista Paulo Nogueira, do DCM, deu uma bronca no editor, Sérgio Dávila.”

“Fomos adiante? Não. Um telefonema da família Marinha, sócia dos Frias no Valor, liquidou o assunto. Nem uma só linha. Isso, meus amigos, é liberdade de imprensa? Ou de empresa.E isto porque somos, hahaha, um “jornal a serviço do Brasil”. Claro, desde que estar a serviço do Brasil não atrapalhe a Globo.”

Gandour, também tomado de um surto de retidão intelectual, pediria então a palavra a Eliane.

“Amigos, como falar em liberdade de expressão quando as empresas de jornalismo gozam de reserva de mercado?”, indagaria ele. “Vocês estão acostumados a ver editoriais do Estadão e dos demais jornais clamando por um choque de capitalismo. Mas vejam. As grandes companhias conquistaram no passado uma reserva de mercado e preservaram este privilégio mesmo quando em virtualmente todos os outros setores a reserva foi abandonada.”

“Não sei se vocês sabem, mas uma das razões pelas quais a Globo defendeu num artigo a reserva é que os chineses poderiam fazer propaganda do maoísmo se tivessem acesso a uma emissora no Brasil. Também foi dito que haveria risco de perdermos o “patrimônio cultural”, aspas, representado pelas novelas. Amigos, riamos juntos diante dessas razões imperiosas para a manutenção da reserva de mercado no jornalismo.”

Seriam necessários alguns pedidos para que as gargalhadas parassem e os debates pudessem continuar.

“Patrimônio cultural, patrimônio cultural, patrimônio cultural”, gritariam os presentes, como se estivessem num campo de futebol.

Neste momento, Gandour faria uma surpresa. Mandaria passar num telão imagens da novela Avenida Brasil, em que o patrocínio escondido de uma cervejaria levou os personagens a tomar cerveja praticamente a novela toda.

“Patrimônio cultural, patrimônio cultural, patrimônio cultural”, saudariam os espectadores.

E então Eliane retomaria o microfone.

“O Lula tem se queixado da mídia. Mas amigos. Basta olhar o que a imprensa fez com o Getúlio em 54 e com o Jango em 64 para entender que os barões simplesmente abominam governos populares.”

“Isso se mostra em tudo. O ministro Gilmar Mendes, por exemplo, acaba de dizer que a situação está um caos. Algum editorial disse que um juiz não pode falar este tipo de coisa? Quantos votos ele teve? O do FHC e qual mais? E de resto: sendo a Justiça brasileira o lixo que é, qual a autoridade dele para falar do resto? Amigos: que nota podemos dar para a Justiça brasileira?”

“Zero, zero, zero”, responderia a plateia.

Neste momento, apareceria no palco Ayres Britto, que participava do fórum.

“Este senhor acabou com o direito de resposta ao revogar, desastradamente,a Lei de Imprensa”, anunciaria Eliane. Ela apontaria uma velhinha na plateia. “Se um jornal disser que a senhora é uma criminosa, a senhora não terá direito de resposta. Que nota merece este senhor?”

“Zero, zero, zero”, responderia a plateia, outra vez, agora liderada pela voz estrepitosa e indignada da velhinha.

“A regra de ouro do jornalismo é que jornalista não tem amigo”, acrescentaria Eliane. “Meu marido prestou muitos serviços ao PSDB, mas marido não é amigo. Amigos são o Ayres Britto e o Merval, que posam para fotos quase que trocando beijinhos.”

Mas, como sabemos, a ficção é melhor que a vida real, e nada do que foi descrito na verdade aconteceu.

Gandour e Eliane falaram as platitudes habituais, tão ocas, tão indefensáveis que não vale a pena reproduzi-las aqui.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!