Entidades pedem indenização de R$ 40 milhões à Zara após delegada negra ser barrada

Veja a delegada que sofreu racismo
Delegada Ana Paula Barroso denuncia loja por racismo após ter sido barrada — Foto: PCCE/Divulgação

Duas entidades do movimento negro entraram com uma ação civil pública na Justiça do Ceará pedindo R$ 40 milhões de indenização à empresa Zara. Essa ação ocorre após a delegada Ana Paula Barroso ter sido barrada por um gerente da loja por suposto crime de racismo.

LEIA MAIS:

1 – Exclusivo: mensagens mostram que Lava Jato montou anteprojeto ilegal que beneficiaria Deltan e atentaria contra o MP

2 – Essencial do DCM: Alexandre Garcia, Manhattan Connection: grande dia (E SEXTOU COM BEMVINDO SEQUEIRA!)

Delegada Ana Paula Barroso barrada

Polícia Civil do Ceará está investigando o caso por meio da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza. Essa ação foi impetrada na 15ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), na última segunda-feira (20), pelas entidades Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro) e Centro Santo Dias de Direitos Humanos, da Arquidiocese de São Paulo.

Segundo a ação impetrada, as entidades requerem “reparação de dano moral coletivo e dano social infligido à população negra e ao povo brasileiro de modo geral, em razão de abordagem ilícita e vexatória cometida por agentes das rés em desfavor de consumidor negro”.

Conforme o documento, o ato cometido pelo segurança da loja não se dirigiu apenas à delegada, mas “trata-se de mensagem pública, cujo propósito era o de chocar a sociedade, anunciando alerta grave, cruel e aviltante”.

Além da indenização, as entidades pedem, na Ação Civil Pública, a revisão dos contratos de terceirização da segurança por parte da Zara para que ela exija de empresas contratadas um rigoroso treinamento de vigilantes e supervisão.

Entidades também solicitam que a empresa exija de seus fornecedores adoção de medidas antirracistas para que contratos sejam assinados, revisão imediata de protocolos de abordagem, entre outros pedidos.

A policial civil disse à TV Verdes Mares que não precisa andar com uma placa indicando que é delegada para ser respeitada. Ela também afirmou que não foi barrada pelo gerente da loja por falta de máscara, como a Zara alega.

Com informações da reportagem do G1.

Veja a delegada que sofreu racismo
Delegada Ana Paula Barroso denuncia loja por racismo após ter sido barrada — Foto: PCCE/Divulgação

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!