Essencial do DCM: Bolsonaro quer desacreditar Petrobras para privatizá-la

AO VIVO. Leandro Fortes e Pedro Zambarda fazem o giro de notícias. Entrevista com o Valéria Fomina e Jones Manoel

Atualizado em 16 de março de 2022 às 21:35
Essencial do DCM: Bolsonaro quer desacreditar Petrobras para privatizá-la
Essencial do DCM: Bolsonaro quer desacreditar Petrobras para privatizá-la. Foto: Reprodução/DCMTV/YouTube

Bolsonaro. AO VIVO. Leandro Fortes e Pedro Zambarda fazem o giro de notícias. Entrevista com o Valéria Fomina e Jones Manoel. Veja o DCM TV.

Presidente Jair Bolsonaro (PL) parece esquecer que é ele quem nomeia a diretoria da Petrobras e fez críticas à forma com que a empresa está sendo conduzida. O mandatário, de forma irresponsável, disse, também, que a estatal mais importante do Brasil “poderia ser privatizada hoje”, na opinião dele. Para concluir, o chefe do Executivo afirmou que a empresa “não colabora com nada”. As declarações foram feitas em entrevista à TV Ponta Negra, do Rio Grande do Norte, gravada na terça-feira (15) e exibida nesta quarta (16).

“Impagável o preço do combustível no Brasil. E lamentavelmente a Petrobras não colabora com nada. Muita gente me critica, como se eu tivesse poderes sobre a Petrobras. Não tenho poderes sobre a Petrobras. Para mim é uma empresa que poderia ser privatizada hoje, ficaria livre desse problema”, falou Bolsonaro, ignorando que é ele quem nomeia o presidente da estatal.

E ele foi além: “A Petrobras virou Petrobras Futebol Clube, onde o clubindo lá de dentro, só pensam neles, jamais pensam no Brasil”. O presidente da República tem a prerrogativa de, a qualquer tempo, trocar o comando da Petrobras, para que seja executada a política que julga adequada.

Leia mais:

1. Lula mantém liderança, mas Bolsonaro se aproxima, diz pesquisa; Veja números
2. VÍDEO – Pastor “abençoa” armas de policiais após culto: “Vão proteger a população”
3. Lavrov afirma que países ocidentais não optaram pela paz com a Ucrânia

Bolsonaro revelou que Petrobras não considerou seu pedido

O chefe do Executiva brasileiro revelou, na entrevista, que o seu governo foi avisado de forma antecipada sobre o último reajuste no preço dos combustíveis. Ele afirma que pediu para que a petrolífera adiasse um dia o aumento, mas a solicitação não foi aceita.

Ele criticou que a Petrobras não é o que ele “gostaria” que fosse, se esquecendo que tem o poder de nomear a direção da estatal.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link

VEJA O ESSENCIAL DO DCM