Apoie o DCM

Noivinha do Aristides: revelação de mulher presa por xingar Bolsonaro explode nas redes

Jair Bolsonaro
Bolsonaro no Exército mostrando toda sua masculinidade

No último sábado (27), em Rezende (RJ), uma mulher de 40 anos foi detida após xingar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Ela foi presa por injúria e levada para a delegacia da Polícia Federal de Volta Redonda. Mas o motivo para a decisão arbitrária do mandatário não foi simplesmente o fato da mulher tê-lo xingado, e sim as palavras que ela usou.

Circula nas redes que Bolsonaro foi chamado de “noivinha do Aristides”. De acordo com jornalistas e internautas, Aristides foi instrutor de judô na Academia Militar das Agulhas Negras, quando o presidente era cadete.

LEIA mais:

1. Aprovação de Bolsonaro desaba e tem nível recorde
2. Chamar de genocida pode. Mas não de genocida de merda. Por Moisés Mendes
3. Após elogios, Doria convida Moro para reunião e bate martelo sobre possível chapa em 2022

“Aristides era o sargento em cuja cama, segundo Jarbas Passarinho, Bolsonaro ia chorar as mágoas, nas noites quentes de verão dos aquartelados”, diz o ativista Toni Bulhões.

A chacota já está a todo vapor, com “Aristides” entre os assuntos mais comentados da internet nesta segunda-feira (29).

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) já aproveitou para tirar sarro. “Bom dia para todas e todos, menos para a Noivinha de Aristides”, disse ele no Twitter.

Jair Bolsonaro e homens do Exército
Bolsonaro de mãos dadas com homem nos tempos de Exército. Seria esse o famoso Aristides?

Confira a repercussão:

Mulher xingou Bolsonaro e acabou presa no Rio

Os xingamentos ao presidente foram feitos quando ele estava em Rezende para a formatura dos cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras.

Antes de seguir para a cerimônia na Aman, Bolsonaro foi até a margem da Via Dutra para acenar para motoristas que passavam pela rodovia. A mulher estava em um dos carros que passou pelo presidente, segundo o G1.

Após os xingamentos, o veículo foi abordado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a mulher foi levada para a delegacia da Polícia Federal de Volta Redonda.

A Polícia Federal informou, em nota, que foi lavrado um termo circunstanciado pelo crime de injúria. A mulher foi liberada após assumir o compromisso de comparecer em juízo, como determina a lei.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link