Após elogios, Doria convida Moro para reunião e bate martelo sobre possível chapa em 2022

Doria e Moro
Foto: Reprodução

Sergio Moro (Podemos) ligou para o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na noite de sábado (27). Em uma conversa breve, os dois ficaram de acertar um encontro após o tucano ter sido lambido pelo ex-juiz da Lava Jato. Os elogios aconteceram por conta da vitória do paulista sobre o governador gaúcho Eduardo Leite (PSDB) nas prévias do partido.

A reunião deve ser marcada para depois do retorno de uma viagem que Doria fará a Nova York. A presidente do Podemos, a deputada federal Renata Abreu, participará da encontro.

A proposta ocorre em meio a uma tentativa do tucano de se aproximar dos candidatos da chamada “terceira via”. Além de Moro, estão no alvo de Doria o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

Leia também:

1; Jean Wyllys compara trabalho na web de ex-juiz e Bolsonaro: “Disputa de mentira, ameaça e desinformação”

2; Garimpeiros ameaçam incendiar barcos de transporte e prédios públicos após operação da PF

3; Estudante detona falta de organização no Enem: “Não caiu nada que os alunos aprendem”

O que Doria acha de ser vice do Moro?

Apesar da próximação, Doria é direto quando perguntado se aceitaria de vice de Sergio Moro. “O PSDB fez prévias para ter candidato à Presidência da República”, responde a aliados, sem ao menos pensar.

O tucano tem evitado dizer diretamente que não topa abrir mão de ser cabeça de chapa na corrida por 2022, mas a resposta que Doria dá deixa claro que a possibilidade de isso acontecer é remota.

A avaliação da equipe do governador é que, apesar do tucano estar atrás de Moro nas pesquisas, ele teria chances de superar o ex-juiz até o meio do ano que vem. Para eles, Moro decola com dois dígitos por ser uma figura conhecida, mas teria teria um “teto baixo”, de no máximo 15% de intenções de voto.

Mas o que se sabe é que, até o momento, o acordo de cavalheiros entre os dois se mantém de pé. Sendo assim, se Moro tiver muito à frente nas eleições do ano que vem, o tucano pode abrir mão para ser vice dele. Se o governador estiver à frente, é o contrário.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.