Manifestantes são presos na Rússia com cartazes em branco contra a guerra

Atualizado em 14 de março de 2022 às 13:30
Manifestantes na Rússia com cartazes em branco
Manifestantes anti-guerra russos manifestam segurando cartazes em branco.
Foto: Reprodução

Na Rússia, manifestantes anti-guerra estão sendo detidos pela polícia por erguerem cartazes em branco. Eles protestam contra a invasão da Ucrânia pelo presidente russo Vladimir Putin.

À medida que os protestos em massa contra o conflito continuam se intensificando, uma mulher foi presa na cidade russa de Nizhny Novgorod, neste domingo (13), por protestar com um cartaz sem nada escrito.

Um vídeo do incidente que viralizou nas redes sociais mostra o momento em que dois policiais se aproximam da mulher e a escoltam para longe de uma multidão. Ela parecia ser a única pessoa segurando uma placa.

Confira:

Leia mais: 

1- Soldados Brasileiros são alvos de ataque na Ucrânia

2- Papa Francisco pede fim do ‘massacre’ na guerra da Ucrânia

3- Bolsonaro sobre relações do Brasil com Rússia: “Está tudo bem”

Outros manifestantes foram presos por erguer cartazes em branco

Na cidade de Rostov-on-Don, no sul da Rússia, a polícia prendeu a ativista Anastasia Nikolaeva pelo mesmo motivo. A informação é do grupo independente russo de direitos humanos OVD-Info. Segundo a entidade, a mulher foi considerada culpada de desobedecer um policial após erguer uma folha de papel em branco em um protesto.

No dia 6 de março, outro homem teria sido preso na Praça Kirov, em Ecaterimburgo, por se manifestar com um cartaz em branco, de acordo com uma agência de notícias independente local. As prisões ocorrem em meio à repressão generalizada contra manifestantes anti-guerra na Rússia.

Em 25 de fevereiro, o Comitê de Investigação da Rússia emitiu um comunicado alertando os cidadãos de que poderiam ser presos por organizar ou participar de protestos ilegais. “Todas essas ofensas, como antes, receberão uma avaliação legal adequada. E as pessoas que cometeram ações ilegais enfrentarão a punição apropriada”, dizia o aviso.

Segundo a agência de notícias russa SOTA, o residente de Ivanovo Mikhail Gusev foi preso acusado de desacreditar o exército russo. Ele foi visto segurando uma placa com a inscrição *** *****, que provavelmente significa “não à guerra” em russo.

A legislatura da Rússia aprovou uma legislação no início de março que impõe penas de prisão de até 15 anos para aqueles que chamam sua “operação militar especial” na Ucrânia de guerra ou invasão. Desde então, vários grandes meios de comunicação deixaram de reportar da Rússia.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link