MBL e Livres se aproximam de PT por ato pró impeachment e ‘abandonam’ Vem pra Rua

Manifestação pelo impeachment de Jair Bolsonaro em frente ao Congresso Nacional; – Foto; Reprodução

O Movimento Brasil Livre (MBL) e o Livres, dois dos principais responsáveis pela organização dos protestos contra Bolsonaro no último dia 12, estão prestes a juntar forças com o PT e seus aliados na pauta em favor do impeachment.

Segundo apurou o DCM, o MBL sinalizou que quer participar dos atos nos dias 2 de outubro e 15 de novembro. O mesmo acontece no Livres, que não descarta a possibilidade de juntar forças pela queda de Bolsonaro. Por outro lado, cada vez mais isolado, o Vem Pra Rua se descolou das pautas.

O clima ficou pesado após o moveimento levantar um pixuleco — como ficaram conhecidos os bonecos infláveis usados em manifestações — contra o ex-presidente Lula. Usando roupa listrada associada à presidiários, o petista aparece amarrado a Jair Bolsonaro, que usa uma camisa de força.

Leia também

1; Papa Francisco detona cardeais “negacionistas” de vacinas

2; VÍDEO: Bolsonaro é cobrado por taxista e liga para presidente do Inmetro

3; Líder do Governo, Ricardo Barros comprou apartamento ligado a empresa investigada na CPI

O que diz o Livres

“Na nossa visão, é claro que a gente gostaria que a sociedade brasileira fosse capaz de se mobilizar em uma única frente de oposição”, declarou Magno Karl, diretor executivo do Livres.

O diretor inclusive considera válida a participação do movimento nos atos pró-impeachment previstos para outubro. “Não temos problema em participar em manifestações de um lado, da esquerda, ou do outro, da direita, porque nossa visão foi sempre de que temos um adversário comum e devemos nos reunir contra este com toda a nossa força. Então, havendo outras manifestações, o Livres vai participar com toda tranquilidade, como já fez em outros momentos”.

Pixuleco

A postura do movimento de levantar a pauta da oposição contra Lula, até então descartada nos atos do dia 12, trouxe preocupações para os demais movimentos organizadores.

Rubinho Nunes, cofundador do MBL, conta que a única preocupação foi o receio de misturar as pautas do Vem Pra Rua com as de seu movimento. “Foi uma postura exclusiva deles. O MBL baixou, inclusive, as próprias faixas do caminhão para fazer um ato bandeira branca, pela democracia. A ideia é focar no impeachment, para ser possível uma eleição no próximo ano”.

Atos

Dirigentes de PT, PSOL, PC do B, PSB, PDT, Rede, PV, Cidadania e Solidariedade se reuniram em Brasília e fecharam acordo pela convocação unificada das manifestações contra o Governo.

As duas datas já estão previstas no calendário da Campanha Nacional Fora Bolsonaro que já promoveu cinco mobilizações pedindo a saída do mandatário, respeito à democracia e vacinas.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!