Mensalão: como Joaquim Barbosa antecipou todos os abusos da Lava Jato. Por Luis Nassif

Joaquim Barbosa. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Publicado originalmente no site GGN

POR LUIS NASSIF

Um dos episódios mais esdrúxulos do chamado “mensalão” foi o inquérito contra Henrique Pizolatto, colocado pelo PT na Diretoria de Marketing do Banco do Brasil. A maneira como a Procuradoria Geral da República, com o então procurador Antonio Fernando de Souza, e o Ministro Joaquim Barbosa, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), conduziram o processo representou definitivamente a abertura da jaula, por onde saíram depois os tigres famintos da Lava Jato.

LEIA TAMBÉM – Moro vai virar um Joaquim Barbosa. Por Moisés Mendes

Utilizaram todo o ferramental empregado, posteriormente, pela Lava Jato: uso intensivo da mídia contra os dissidentes, sonegação de provas à defesa, criação de narrativas sustentadas em provas falsas. Os Ministros que ousavam divergir da interpretação eram alvos de campanhas da mídia e de escracho em aeroportos.

CONFIRA: VÍDEO – “Não pronuncie esses nomes na minha casa”: Aragão fala do rompimento com o amigo Joaquim Barbosa

O episódio central foi o suposto desvio de R$ 75 milhões da Visanet. A lógica “lavajatiana” de Joaquim Barbosa consistiu no seguinte:

1. Tratar a Visanet como se fosse uma empresa pública, apesar de ter como acionistas, além do BB, vários bancos privados. (…)

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!