Merval diz que Leite é “novidade”, mas vai mesmo de Bolsonaro. Por Fernando Brito

Merval diz que Leite é “novidade”, mas vai mesmo de Bolsonaro. Esse é o título da análise de Fernando Brito, do Tijolaço. 

Leia abaixo:

Nada mais curioso, nos jornais de hoje, do que a paixão avassaladora de Merval Pereira pela candidatura do governador gaúcho Eduardo Leite que, segundo ele, pode ser “a única novidade no campo da eleição presidencial do ano que vem”.

Nada contra, pessoalmente, o governador gaúcho, mas de onde é que Merval tirou esta esperança se ele próprio diz que ” parece mais provável” que Doria vença as prévias internas do tucanato?

A, de uma “opinião” da consultoria empresarial Eurasia que, provavelmente, a extraiu de uma pesquisa da XP Investimentos, na qual gerentes e diretores de empresas achavam que Leite é o melhor nome para apresentar-se como “terceira via”.

Leia mais:

1 – Em busca de vingança, CIA planejou sequestro e assassinato de Assange

2 – Kalil é eleito por Kassab como seu “queridinho” para 2022

3 – Eleição na Alemanha termina sem vencedor claro

Continue lendo…

O “pequeno problema” é que esta pesquisa foi feita com apenas 75 pessoas e pode expressar, no máximo, o desejo de operadores financeiros. Nem seguer, mesmo, o dos homens do dinheiro grosso, não os farialimes” apenas.

E, detalhe: entre eles, 45% acham que Lula ganha a eleição, 39% prevêem que a vitória seja de Bolsonaro e só 17% creiam que haja chance para o candidato alternativo aos dois.

Nada disso impede, porém, Merval de ter raciocínios que perderam o sentido faz tempo, como a adesão e Geraldo Alckmin ou de Aécio Neves pudesse significar movimentos eleitorais decisivos em São Paulo ou Minas Gerais, como se não tivesse havido um 2018 a atropelar a ambos.

Ao menos reconhece que Moro está descartado, pobre coitado, oprimido pelo “petismo” que o “fragilizou” com a anulação judicial de sua perseguição a Lula, como se Lula, fora do governo e preso num cubículo, dispusesse de alguma poder para pressionar tribunais superiores.

Merval é, essencialmente, o mesmo e nem cuida de disfarçar o que é o ponto central: impedir uma vitória do ex-presidente:

— O candidato que impedir Lula de ganhar no primeiro turno terá grandes chances de vencer no segundo.

Sinto muito informar, Merval, mas com o quadro que há hoje – e só ele permite análise, o resto é elucubração – o único candidato que tem chance de impedir Lula de ganhar no primeiro turno é Jair Messias Bolsonaro.

Você vai nessa, de novo?