Metalúrgicos do ABC exibem ‘Marighella’ com a presença de Lula

Publicado na Rede Brasil Atual 

Cartaz Marighella
As atividades começam às 17h na quadra do sindicato, na Rua João Basso, 231, em São Bernardo do Campo
Foto: divulgação

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC exibirá nesta sexta-feira (3) o filme Marighella, que retrata os últimos anos do ativista, tido como “inimigo número 1” da ditadura civil-militar (1964-1985). A exibição do filme, dirigido por Wagner Moura, terá na plateia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Fernando Haddad, a neta do ex-combatente Maria Marighella, que atua no filme, parte do elenco e outras lideranças políticas.

LEIA MAIS:

1 – Quem é Hans Donner, o designer que criou o logo da Globo e está bombando nas redes

2 – DCM Café da Manhã: Quinta dos Infernos com Fernando Morais, biógrafo de Lula

3 – Bancada do PSB quer federação com PT em torno de Lula

As atividades começam às 17h, em São Bernardo do Campo. O evento será aberto ao público, entretanto, os lugares são limitados de acordo com a capacidade do local e também em respeito aos protocolos sanitários contra a covid-19. A exibição se realiza na antevéspera do aniversário de Carlos Marighella, nascido em 5 de dezembro de 1911, em Salvador.

Democracia e Marighella

“Não existe democracia ou construção da cidadania sem conhecer a história; sem reverenciar aqueles que lutaram pela democracia e pelos direitos hoje conquistados pela classe trabalhadora e pela sociedade”, afirma o presidente do sindicato, Wagner Santana, o Wagnão.

“Marighella representa um desses companheiros que se insurgiram contra a ditadura. Contra o golpe militar, contra aqueles que queriam impedir que, de fato, vivêssemos uma democracia. Contra interesses que não eram do cidadão comum ou dos que pretendiam construir sua vida sob a proteção de um Estado que lhe garantisse esses direitos”, completa.

Wagnão, ao chamar os interessados para o evento, defende que a democracia é um valor humano e deve ser defendido de todas as formas. “É por isso que exibiremos o filme, porque ele retrata o período em que pessoas corajosas se insurgiram para defender os direitos que temos hoje. É nesse sentido que convidamos companheiros e companheiras que queiram reverenciar não só este companheiro, mas todos os anônimos, inclusive muitos metalúrgicos e metalúrgicas que lutaram pelo direto de estarmos aqui falando e escrevendo livremente, pela democracia plena que vai muito além de poder escolher um representante.”

Censura

O longa passou por duras provas para conseguir ser exibido no país. A data de estreia estava programada para o dia 20 de novembro de 2019, Dia da Consciência Negra. No momento, o Brasil atravessava o primeiro ano de mandato do governo Bolsonaro, defensor da ditadura.

Contudo, o filme chegou às salas apenas neste ano, após uma sequência de tentativas de boicotes e censura. A interferência de Bolsonaro na Agência Nacional do Cinema (Ancine) aconteceu sob ameaças de fechamento do órgão.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.