Ministro astronauta reclama de cortes na Ciência e diz que pode faltar dinheiro para bolsas

Ministro Marcos Pontes
Ministro Marcos Pontes reclamou de corte do seu Ministério

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, reclamou nesta sexta (8) dos cortes de verbas em sua pasta. Ele afirmou que a falta de recursos ameaça programas, como o financiamento do Centro Nacional de Vacinas. Concessão de bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico também pode ser suspensa.

Pontes confessou que ficou surpreso com a decisão do Ministério da Economia. Paulo Guedes enviou ofício à Comissão Mista do Orçamento do Congresso e mandou tirar R$ 690 milhões já previstos para projetos científicos. Restou apenas R$ 55 milhões.

O ministro relatou que o dinheiro cortado é utilizado para subvenção de empresas, para financiamentos de startups, para manutenção de instituições e para melhorar a infraestrutura de laboratórios de universidades. Além de bancar bolsas do CNPQ. Se a retirada da verba não for revertida, editais já publicados não vão poder ser executados.

“Tudo isso passa a ficar em risco com a redistribuição desses recursos. Por isso que eu tenho falado da urgência da reposição para gente conseguir executar este ano. Não adianta vir o recurso em novembro, por que como a gente vai fazer um edital em um mês? Não é aplicável”, explicou.

Leia mais:

1 – MP investiga validade de permissão de pacientes que receberam “kit covid” na Prevent Senior

2 – Com dízimos em queda, medalhões evangélicos aconselham Bolsonaro: “Controla a inflação na canetada”

3 – Twitter suspende contas de Allan dos Santos e do Terça Livre por ordem judicial

Ministro astronauta cogitou sair do ministério

Marcos Pontes foi questionado se pensou em deixar o ministério e ele admitiu que sim. “Ontem, eu estava muito, mas muito chateado. Se me perguntasse isso ontem, provavelmente iria falar: ‘sim’. Hoje, vendo tudo isso aqui, principalmente aqueles jovens recebendo a medalha, eu pensei: ‘Pô, eu tenho que continuar para ajudar a levar isso para frente’. Eu me sentiria muito mal em sair e deixar todo esse pessoal”, comentou.

Ele participou de um evento ao lado do presidente Jair Bolsonaro em Campinas. E deixou claro que o corte era uma decisão “equivocada”;

“Isso depende de um tripé de pessoas qualificadas, fomento de infraestrutura e manutenção do sistema. Então, toda vez que falta orçamento, sim, você coloca em risco esse tripé que mantém a estrutura funcionando”, completou.