Moraes ‘paga pra ver’ e manda prender provocadores bolsonaristas. Por Fernando Brito

Alexandre de Moraes olhando de soslaio
Alexandre de Moraes. Foto: STF

Às vésperas dos atos autoritários de 7 de Setembro e no mesmo dia em que Jair Bolsonaro anuncia um “ultimato” a ele e a Luiz Roberto Barroso, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal mostra que as ameaças presidenciais não estão surtindo o efeito de intimidar o STF. Mandou prender um certo Wellington Macedo, agitador de redes sociais, e Marcos Antônio Pereira Gomes, mais conhecido como “o caminhoneiro Zé Trovão”, este ainda foragido.

Verdade que a prisão ocorre a pedido da Procuradoria Geral da República, assinada pela braço direito de Augusto Aras, mas isso não elide o fato de que Moraes não titubeou em decretá-la.

Mas a atitude de Moraes mostrou que não apenas ele, mas o Supremo, estão “pagando para ver” o blefe do bolsonarismo.

Acha que vai fazer barulho e nada mais.

Até porque a estratégia de Bolsonaro é um erro crasso.

Leia também

1; VÍDEO; Foragido, Zé Trovão zomba de STF; “Olha minha cara de preocupado”

2; VÍDEO; Caio Ribeiro está com câncer; “Fui diagnosticado com um linfoma”

3; Foragido, Zé Trovão desafia STF e não vai se entregar

Preocupação?

Não há preocupação nas ruas, apenas nos currais do eleitorado bolsonarista-raiz, sobre uma suposta “liberdade de expressão” de incitadores do golpe e da ilegalidade.

Caixinhas, rachadinhas e indiscrições sobre a vida íntima dos Bolsonaro escalam os trend topics das redes sociais e se tornam muito mais relevantes como informação.

E as ameaças bolsonaristas passam a ser mais de um golpe pela impunidade da família do que “pelas liberdades” de propor golpes que dizem estar ameaçadas.

(Texto originalmente publicado em TIJOLAÇO)