Na guerra de Carlos Bolsonaro com Mourão, o que move o Zero 2 pode não ser amor, mas ódio do pai

Carlos Bolsonaro com a mãe Rogéria, segunda mulher de Jair

Há uma variável que precisa ser levada em consideração na blitz ininterrupta de Carlos Bolsonaro contra Hamilton Mourão: o ressentimento.

Por que Carlos faz o que faz? De que modo essa estratégia poderia beneficiar o pai?

De jeito algum.

Quem está enxergando lógica e razoabilidade está mentindo.

O caso é que o Zero 2 não perde, necessariamente, com os ataques.

Pelo contrário, aparece para seu eleitorado como um sujeito corajoso, leal, bom filho, capaz de enfrentar um general.

Vai se eleger no próximo pleito.

O pai, Jair, é quem se lasca entre os militares, no Congresso, nas ruas. Um presidente fraco, chefe inepto, pai sem autoridade, atrapalhado.

Perde o cargo.

Mourão, como de hábito, está jogando parado, sem contestar ou pular na lama — e ganhando.

Carlos não recuou em sua louca cavalgada porque o ódio pelo pai é do tamanho do amor. 

Ele vive se sacrificando desde a adolescência.

Foi obrigado a tomar partido contra a mãe, Rogéria Nantes Nunes, segunda mulher de Jair.

No ano 2000, ela era vereadora no Rio de Janeiro pelo PMDB. Tentava a reeleição para seu terceiro mandato.

O casamento acabara três anos antes porque, basicamente, ela resolveu pensar por conta própria.

Já não contava mais com o apoio de Bolsonaro, que resolveu apostar em outro nome: o de Carlos.

Vinícius Segalla contou aqui no DCM:

Carlos Bolsonaro tinha 17 anos quando seu pai o lançou na política no ano 2000. Era estudante do ensino médio, menor de idade.

Para que pudesse se candidatar, de acordo com a lei, era preciso que fosse emancipado. Jair Bolsonaro assim o fez, como noticiou a imprensa carioca na época.

A partir daí, naquela eleição no Rio de Janeiro, a mãe Rogéria e o filho Carlos passaram a ser adversários, disputando o mesmo eleitorado: os simpatizantes do ex-capitão.

“Bolsonaro emancipou o filho para jogá-lo contra a mãe. Em seu grupo político, não há ninguém merecedor de sua confiança. Já que não é a (ex-)mulher, tem que ser o filho.

Um menino ainda, sem o mínimo preparo, com o único objetivo de dizer aos seguidores do deputado-capitão que o seu preposto na Câmara Municipal não é mais a ex-mulher, mas sim o filho, disputando os dois o patrimônio eleitoral do parlamentar. Se isso não é nepotismo, o que é?”

Assim noticiou o fato, no dia 25 de setembro de 2000, o jornal carioca “Tribuna da Imprensa” (que deixou de circular em 2008).

Isso não sai de graça. Não tem perdão. É pior que alienação parental.

Ninguém aceita ser um escravo mental impunemente. Ninguém aceita destruir a mãe numa boa.

É uma dívida impagável que Jair contraiu com o filho.

O Globo noticia hoje que Carlos, desde que foi obrigado a retirar do canal oficial da Presidência o vídeo de Olavo de Carvalho esculhambando os “milicos”, deu um perdido em Jair se refugiando num clube de tiro em Florianópolis.

Segundo a reportagem, ele “se recusa a atender telefonemas do pai, que pediu ajuda a um amigo da família de longa data para tentar acalmar o filho”.

Carlos também não perdoou que Olavo fosse desautorizado por meio de uma nota.

No centro do alvo em Floripa, é fácil pensar em quem Carlos está imaginando quando dispara sua arma.

E não é apenas em Mourão.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!