Nova pesquisa nacional traz más notícias para a terceira via. Por Miguel do Rosário

Bolsonaro, Lula, Ciro e Doria. Foto: AFP

O jornalista Miguel do Rosário escreve sobre a pesquisa Futura Inteligência, com dados sobre Bolsonaro, Lula e terceira via.

LEIA MAIS:

1 – Mais de 160 mil assinam carta ao STF contra o Marco Temporal e pedindo proteção aos direitos indígenas

2 – Caso Melhem revela ação de assessoria de imprensa para censurar revista Piauí. Por Leandro Fortes

Publicado no site O Cafézinho

Nova pesquisa nacional

A nova pesquisa mensal da Futura Inteligência, em parceria com o banco de investimento Modal Mais, traz um cenário ainda fortemente polarizado entre Lula e Bolsonaro, e péssimas notícias para a terceira via.

Na espontânea, Lula e Bolsonaro agora empatam com 31%. Lula  subiu 1 ponto, Bolsonaro cresceu 7 pontos, e Ciro oscilou meio ponto para baixo. Todos os outros tem 1% para baixo.

Os números são particularmente ruins para os alternativos porque o número de indecisos caiu de 25% para 19% e mesmo assim nenhum candidato desse campo apresentou qualquer melhora de desempenho.

Nos cenários estimulados, nota-se uma tendência similar à verificada na espontânea: uma melhora razoável de Bolsonaro, ligeira piora de Lula (dentro da margem de erro), declínio de Ciro e estagnação de outros candidatos em percentuais insignificantes.

No cenário reduzido da pesquisa estimulada, com apenas 4 candidatos, observa-se que Lula caiu de 42% para 38%, Bolsonaro subiu de 29% para 35%. A vantagem de Lula, que era de 11 pontos, caiu para apenas 3 pontos.

Ciro perdeu aproximadamente 3 pontos, saindo de 13 para 10 pontos.

Eduardo Leite ficou estacionado em 3 pontos.

Um fator que não deve ajudar muito a terceira via é que o grau de decisão dos entrevistados parece bastante consolidado. Entre aqueles que escolheram seu candidato ou optaram por branco ou nulo, 71% disseram que se trata de uma “decisão definitiva”, contra 28% que disseram que seu voto ainda “pode mudar”.

O cenário de segundo turno entre Lula e Bolsonaro também mostrou recuperação de Bolsonaro. Em julho, Lula vencia por 51% a 33%, vantagem de 18 pontos. Hoje Lula ganharia de 47% X 39%, vantagem de 8 pontos.

Análise: o crescimento de Bolsonaro deixa mais distante a hipótese do presidente “não ir ao segundo turno”.

O esvaziamento de Ciro pode indicar algum ruído em sua estratégia.

O declínio de Lula sinaliza que o petista pode ter batido num teto, algo próximo de 40%. Isso lhe garante margem confortável, todavia, para chegar ao segundo turno, e entrar nessa etapa com base firme. A rejeição alta de Bolsonaro, por sua vez, em torno de 41%, facilita a vitória do petista do segundo turno. A rejeição a Lula está em 32%.

Outros candidatos tem rejeição baixa. O método usado na pesquisa pede que os entrevistados escolham apenas 1 candidato a ser rejeitado, por isso a concentração dos números nos dois principais.

Para baixar a íntegra da pesquisa, clique aqui. A pesquisa do mês anterior pode ser baixada aqui.

Lula, Jair Bolsonaro, Ciro Gomes e João Doria Foto: Editoria de Arte