Para a Globo, não é hora de impeachment de Bolsonaro. Novo acordão? Por Eliara Santana

Jair Bolsonaro e a Globo. Foto: Reprodução/Conversa Afiada

Publicado originalmente no perfil de Facebook da autora

POR ELIARA SANTANA, pesquisadora

PARA A GLOBO, AINDA NÃO É HORA DE IMPEACHMENT PARA JAIR. NOVO ACORDÃO?

Depois de um sábado cheio de carreatas pelo país todo exigindo o impeachment de Jair Bolsonaro, a edição do JN, da GloboNews e até do MGTV foram ridículas. Na escalada do JN, até onça resgatada que voltou pra mata ganhou destaque. Mas nem uma única menção para as carreatas que ocorreram em várias capitais do país. Carreatas exigindo o impeachment. Exigindo vacina. Com muitas pessoas, muitos carros. Grandes manifestações.

A GloboNews não deu nenhum destaque. O MGTV nem mencionou a mega carreata em BH. A maior da história da capital mineira.

Na edição de hoje do JN ( 23/01), a cobertura das carreatas foi absurdamente protocolar – pouco mais de um minuto, mostrando poucas imagens das capitas. Belo Horizonte, que teve uma carreata gigantesca, mais de 10 km, mereceu dois segundos no jornal. É maior carreata da capital mineira de todos os tempos.

A primeira matéria do JN deu total destaque à distribuição das doses da vacina de Oxford que chegaram da Índia. Muitos holofotes, pessoas celebrando, autoridades festejando. Até Ernesto, o que adora brigar com a China, apareceu em destaque no jornal. Detalhe: Ernesto Araújo não aparecia no JN. Nunca.E não houve qualquer crítica à confusão diplomática.

Por fim, destaque para o segundo round do Enem, no domingo. Tudo normal. Um grande destaque para a morte do apresentador norte-americano Larry King. Final feliz para a onça pintada. Mensagem do Papa enaltecendo os jornalistas.

Protestos em destaque só na Rússia, contra Putin.

Pontos muito importantes:

1 A decisão, parece, é de fritar totalmente o ministro Pazuello. Houve muito destaque para o pedido do PGR Aras de investigação da responsabilidade do Ministério pelo caos em Manaus. Parece que ele será o boi de piranha no novo acordo nacional.

2 Nesta semana, na quinta-feira, o governo Bolsonaro soltou uma mega campanha publicitária a favor da vacina. Megas campanhas publicitárias significam grana. MUITA grana. Uma campanha completamente fora dos padrões do que vinha sendo feito pelo governo. Os jornais deram destaque à campanha. O JN deu muito destaque à campanha. Em outubro, o ministro das Comunicações estava tentando uma “costura” da Globo com Jair.

3 Quem é da área da comunicação sabe de um detalhe: há a tabela normal de preço de anúncio, de veiculação de campanha, e há a tabela “negociada”, o preço cheio, aquela super gordinha. O cliente que paga o que as mídias pedem tem total destaque e tratamento super vip.

4 As carreatas mostraram um protagonismo das esquerdas. Aqueles grupos que, segundo a mídia corporativa, estavam “mortos” depois das eleições municipais. Lembrando que a direita ainda não tem um candidato legal pra chamar de seu.

5 Bolsonaro não é citado em momento nenhum. Mas tampouco é responsabilizado ou criticado. É simplesmente ignorado.

Mais do nunca, informação é poder. Negociada a preço de ouro.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!