PF agora quer ter o direito de dizer que tipo de protesto é permitido. Por Luís Felipe Miguel

O professor Aureo Lopes, ex-chefe de gabinete de Luís Carlos Cancellier, foi interrogado em inquéritos, por dar entrevista

 

PUBLICADO NO FACEBOOK DO AUTOR

Há um ponto da entrevista do diretor da PF que merece atenção, além da narrativa sobre a prisão de Lula (incluindo a não soltura após a decisão do plantonista), que comprova mais uma vez a animosidade brutal do juiz Sérgio Moro contra aquele que ele deveria julgar de forma “imparcial”.

É quando Galloro defende as ações de intimidação que estão ocorrendo contra quem protesta contra a morte do reitor Luiz Carlos Cancellier, vítima de abuso de autoridade da PF.

Ele explica que não quer impedir o protesto. Todo mundo pode protestar, desde que não explique contra quem e por quê.

As palavras dele: “Tem outros meios de protestar que não acusar uma autoridade de abuso”.

Mas… e quando o protesto é contra abuso de autoridade?

Tudo no caso, da injustificável operação espetaculosa na UFSC ao relatório final do inquérito, que expõe a total indigência da investigação, aponta: foi abuso de autoridade, sim. E o comportamento da PF, recusando responsabilidade, negando-se a apurar o caso, protegendo os culpados e intimidando os críticos, é simplesmente criminoso.

E fica a pergunta: com qual direito a PF diz que tipo de protesto é permitido e que tipo não é?

Resposta: no Brasil de hoje, em que a Constituição foi passada no triturador de papéis, ´o “direito” é o grito do mais forte.

x.x.x.x.

PS: Leia mais sobre a entrevista do diretor da PF, Rodrigo Galloro, em que ele defende o inquérito contra professores que se manifestam contra os abusos na investigação que levaram ao suicídio do reitor Luiz Carlos Cancellier: clique aqui.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!