Em pronunciamento frouxo, Lira passa pano para atos golpistas e não cita impeachment

Bolsonaro e Arthur Lira rindo da cara dos brasileiros

O pronunciamento do presidente da Câmara, deputado federal Arthur Lira (MDB-AL), foi um vexame.

Ele elogiou “os brasileiros que foram às ruas de modo pacífico” nos atos golpistas do 7 de setembro.

Em seguida, prometeu construir uma “ponte de pacificação” entre Judiciário e Executivo.

O parlamentar afirmou que não deixou de cumprir seu papel e que a crise no Brasil é superdimensionada nas redes sociais e na imprensa.

Lira não falou em impeachment e sequer citou o nome do presidente Jair Bolsonaro.

A fala mais contundente do fraco discurso foi sobre “dar um basta” nas “bravatas”.

“É hora de dar um basta nessa escalada e nas bravatas”, disse Lira. “Não vejo como possamos ter ainda mais espaço para radicalismo e excessos.”

Ele ainda se explicou sobre a demora em se manifestar: “Esperei até agora para me pronunciar porque não queria ser contaminado pelo calor de um ambiente já por demais aquecido.”

O deputado vinha sendo pressionado a falar sobre a situação do país após as manifestações bolsonaristas.

Bolsonaro discursou em Brasília e São Paulo, e reforçou as ameaças que vinha fazendo ao STF.

Após os protestos e as novas declarações, cresceu a pressão para que o presidente da Câmara analise os quase 100 pedidos de impachment.

Com seu discurso frouxo nesta quarta-feira (8), porém, Lira mostra que o Centrão quer seguir mamando nas tetas do governo até o fim do mandato de Bolsonaro.

Veja abaixo:

Leia também:

1 – Bolsonaro se assustou ao ver manifestantes: “Cadê o pessoal?”

2 – Presidente da Câmara chama convocação do Conselho da República de “bravata”

Com chance de impeachment de Bolsonaro, Mourão e Lira ficam alertas

Com os discursos golpistas de Jair Bolsonaro desta terça (7), Hamilton Mourão e Arthur Lira ficaram alertas. Ambos estão na linha de sucessão presidencial.

O impeachment do presidente passou a ser discutido entre partidos.

Lira, no entanto, espera que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) casse a chapa de Bolsonaro e Mourão.

Os dois têm chance de assumir o posto de Bolsonaro: Mourão por meio do impeachment e Lira, da cassação.

O vice já recebeu o recado de que tem apoio da centro-direita na casa legislativa, segundo o Estadão.

O parlamentar foi avisado que o processo no TSE avança.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!