Governador de Alagoas, Renan Filho é informado que PMs do estado podem causar motim

O governador de Alagoas, Renan Filho
O governador de Alagoas, Renan Filho (MDB)
Imagem: Marcio Ferreira/Governo de Alagoas

O governador de Alagoas, Renan Filho, foi informado que a Polícia Militar do estado pode se rebelar pró-Bolsonaro.

Segundo o IG, governadores consultaram suas secretarias de segurança para verificar o controle e a ordem das tropas.

Com a aproximação do ato golpista de 7 de setembro, diversos membros da corporação têm se manifestado.

Governadores, apesar de terem maior preocupação em 2022, quando estarão afastados por conta da eleição, já começaram a se atentar às tropas.

Há temor entre os gestores estaduais de que o episódio no Capitólio se repita no próximo mês.

Renan Calheiros e o filho, Renan Filho
Renan Calheiros e o filho, Renan Filho

Pai de Renan filho é o relator da CPI, Renan Calheiros

O governador do Alagoas é filho do senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid.

Após a instalação da comissão, o parlamentar se tornou um dos maiores alvos de Jair Bolsonaro.

Ele tem sofrido ataques constantes do mandatário, o que aumenta a tensão no estado.

Em maio, o presidente esteve em Alagoas e atacou o senador, chamando-o de “vagabundo”.

Bolsonaro já sugeriu, aliás, que se investigasse o governador por suposto “desvio de recurso público”.

Um coronel da ativa foi punido, mas policiais de diversos estados se manifestam

Nesta segunda (23), Aleksander Lacerda, coronel da ativa, foi afastado do cargo após convocar policiais para o ato golpista.

Mesmo assim, policiais da reserva e deputados-PMs têm prosseguido com as bravatas golpistas.

Agentes de pelo menos seis estados convocaram seus pares para o ato.

Leia também:

1 – Chefe da PM paulista, comandante de 5 mil homens, convoca para ato de 7 de setembro

2 – Mais um coronel bolsonarista convoca policiais para ato 

3 – Bolsonaro divulga vídeo com coronel do CEAGESP que convocou apoiadores para manifestação

4 – Deputado diz que PMs do interior de SP alugaram 50 ônibus para participar de ato golpista