Sede de entidade de esquerda na periferia de SP é atacada e morador é assassinado com 10 facadas

A sede da instituição foi atacada e um dos membros, morto com 10 facadas
A sede da instituição foi atacada e um dos membros, morto com 10 facadas

A intolerância ideológica fez mais uma vítima: o pedreiro Diego Alex, de 34 anos, paulistano.

Alex era membro do Grêmio Recreativo Mutirão e Amizade, no bairro de Sapopemba, na zona Leste da capital. Ele estava trabalhando quando percebeu a presença de um jovem, mascarado, que vinha promovendo ataques contra a instituição, e foi atrás.

Morreu no meio da rua, assassinado com 10 facadas.

Marcelo Silveira, presidente da instituição que abriga coletivos de hip-hop, mulheres, meio ambiente, maracatu, percussão, entre outras, vê o incidente como crime de intolerância ideológica.

“Temos uma vocação popular e socialista”, disse ele ao DCM. “Nosso trabalho é focado na defesa e promoção de ações de integração comunitária. O Alex nunca teve problema com ninguém”.

Leia também: 

1. Itaú quer terceira via, mas com pauta bolsonarista 

2. Operação da PF prende prefeito bolsonarista do PSDB no Espírito Santo

3. Como eu tirei as fotos de Lamarca ensinando mulheres a atirar e perdi o crédito por elas. Por Bia Parreiras

Sapopemba é um dos bairros mais carentes de Sâo Paulo.

Marcelo Silveira conta que os ataques começaram com coquetel molotov. Depois, puseram super bonder nas fechaduras, travaram o portão de entrada com cimento, cortaram o fio de câmera de segurança e picharam a palavra ‘Não’ no parabrisa do carro de um dos diretores.

 

 

 

 

 

A última homenagem a Diego Alex

As imagens mostram um rapaz de moleton e máscara. A polícia foi acionada, mas alegou que ainda não tem indícios de quem possa ser o criminoso.
Em sua página no Instagram, o Grêmio Recreativo Mutirão e Amizade fez a última homenagem ao pedreiro Diego Alex.