Sob Bolsonaro, mais de 7 mil crianças morreram por desnutrição no Brasil

Atualizado em 15 de novembro de 2021 às 18:13
Bolsonaro
Bolsonaro – Foto: Reprodução

Neste ano, até o mês de setembro, já foram registradas 3.061 mortes de crianças de 0 a 9 anos por desnutrição no país, de acordo com a plataforma DataSUS, do Ministério da Saúde. Em todo o ano de 2020, foram quase 4 mil mortes. Os números só aumentaram desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro, que assumiu em 2019.

Os dados são de uma pesquisa feita pelo Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) do Ministério da Saúde, obtida pela Globonews por meio da Lei de Acesso à Informação. Somente 1 em cada 4 crianças atendidas nos serviços de Atenção Básica realiza as três principais refeições do dia — café da manhã, almoço e jantar.

Em todo o Brasil, entre janeiro e outubro de 2021, apenas 26% das crianças atendidas pelo SUS, com idades entre 2 e 9 anos, realizavam pelo menos essas três principais refeições.

Leia também:

1- Steve Bannon é liberado com restrições e julgamento que decidirá prisão tem data marcada

2- Guedes escondeu do governo que filha é diretora de offshore, denuncia deputado

3- VÍDEO: Lula é aplaudido de pé após discurso no Parlamento Europeu

A piora aconteceu com Bolsonaro

No ano passado, o índice foi ainda pior: apenas 21% das famílias entrevistadas pelo SISVAN disseram que as crianças consumiam ao menos três refeições por dia — ou seja, somente 1 em cada 5 crianças.

O índice começou a retroceder há cerca de sete anos. Em 2015, 76% dessas crianças realizavam pelo menos três refeições por dia. No ano seguinte, o número caiu para 42%. Em 2019, já eram apenas 28% das crianças que conseguiam fazer as três refeições.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.