A verdade sobre o “paraíso” de Dubai que não querem que você veja

Shahroukh, que tem um padrão de vida melhor do que os outros trabalhadores, se prepara antes de sair para trabalhar em uma empresa de decoração.

A cidade de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, está no noticiário após uma declaração estúpida do governador de SP, João Doria (PSDB). Em evento no interior da Paraíba, o tucano causou mal-estar ao questionar “quem já foi a Dubai”, paraíso dos milionários. 

Em artigo publicado no Daily Mail, o jornalista Sam Webb traz imagens registradas pelo fotógrafo Farhad Berahman que mostram uma triste realidade na cidade, bem diferente do “paraíso” conhecido pelos ricos. Leia:

Um fotógrafo iraniano registrou a vida desesperada de trabalhadores do sul da Ásia que viajam para Dubai na esperança de construir um futuro para suas famílias – mas encontram apenas miséria, baixos salários e trabalho árduo em um calor sufocante.

As fotos de Farhad Berahman foram tiradas em Sonapur, o nome não oficial de um campo de trabalho nos arredores de Dubai, localizado longe do luxo, dos arranha-céus e da vasta riqueza que tornam a cidade dos Emirados Árabes Unidos famosa.

‘Sonapur’ – ironicamente, o nome significa ‘Cidade de Ouro’ em hindi – é o lar de mais de 150.000 trabalhadores, principalmente da Índia, Paquistão, Bangladesh e China.

Cozinha em Dubai com trabalhadores
Enorme cozinha suja no acampamento de Sonapur, onde muitos trabalhadores moram. Os gasodutos foram construídos por eles e não estão sujeitos às leis de segurança
Pobreza em Dubai
Padrões de vida sombrios: Jahangir, 27, de Bangladesh, trabalha como faxineiro há quatro anos. Ele ganha 800 AED (R$ 898) por mês e envia 500 AED (R$ 563) para sua família.

Há trinta anos, quase toda a cidade era um deserto, mas cresceu rapidamente e se tornou um dos principais centros comerciais e destinos turísticos da região.

O fotógrafo já visitou Dubai muitas vezes e viu seu crescimento em tamanho e riqueza. O homem de 33 anos diz que há um entendimento tácito de que existem três classes diferentes de pessoas em Dubai – os emiratis, os expatriados e, lá embaixo, os trabalhadores que construíram a cidade.

Farhad explica que vários trabalhadores têm seus passaportes apreendidos no aeroporto e são obrigados a trabalhar horas extremamente longas em um calor escaldante por muito pouco dinheiro. Eles são levados para Sonapur – que não está no mapa – para que possam ser melhor controlados pelos empregadores.

Ele falou com um trabalhador chamado Jahangir, de Bangladesh. O jovem de 27 anos trabalha como faxineiro há quatro anos e ganha 800 AED (R$ 898) por mês e envia 500 AED (R$ 563) para sua família. Ele é forçado a sobreviver com o pouco que resta.

Trabalhadores cozinham em Dubai
Trabalhadores buscam ganhar dinheiro extra nos finais de semana montando barracas de comida e negociando com outros migrantes
Trabalhadores de Dubai
Diversão improvisada: trabalhadores se divertindo em um jogo chamado Carrom, semelhante ao bilhar, que eles próprios construíram

Farhad explica: “As pessoas vêm para esta terra para construir seu futuro e se beneficiar dos enormes investimentos em construção e petróleo.

Existem muitos hotéis luxuosos e estruturas de renome mundial que os trabalhadores construíram nos últimos anos.

O empregador geralmente tira o passaporte assim que chega ao aeroporto de Dubai e todos são enviados para Sonapur.

Os operários costumam trabalhar 14 horas, enquanto no verão a temperatura ultrapassa os 50 °C.

Por outro lado, geralmente é aconselhável que os turistas ocidentais não saiam por mais de cinco minutos no verão.

De acordo com as leis do governo, os locais de trabalho deveriam fechar com essa temperatura para não prejudicar os trabalhadores e sua saúde, mas o governo muitas vezes nem mesmo anuncia a temperatura certa.”

Quarto em Dubai
Pavoroso: sua acomodação é apertada, suja, sufocante e freqüentemente cheia de vermes. No entanto, muitos não podem sair
Mercado em Dubai
O mercado secreto de vegetais em Sonapur é um lugar barato para os trabalhadores se alimentarem de vegetais e frutas

Quando Farhad chegou, viu dezenas de homens sentados no pátio sobre móveis quebrados, cozinhando em cozinhas sujas com animais selvagens espreitando.

Ele acrescenta: “Os quartos têm 12 pés por 12 pés com seis camas e acomodam de seis a oito pessoas. A comida é geralmente cozinhada em botijões de gás em péssimas condições.

Um dos trabalhadores chineses me parou, me levou para seu quarto e me mostrou uma placa que ele tinha escrito em uma madeira.

Dizia: ‘Caro chefe, estou trabalhando na sua empresa há 1 ano, meu contrato expirou, mas não posso ficam sem receber quatro meses de salário. Devo ir para a China logo, por favor, pague meu dinheiro.'”

Trabalhador chinês em Dubai
Suplicando: Um trabalhador chinês escreveu uma mensagem para seu empregador implorando que eles o pagassem e o deixassem ir para casa
Barbeiro em Dubai
Improvisado: usando um espelho quebrado e posicionado ao lado de uma lixeira, um barbeiro abre uma loja

Os expatriados que desfrutam de altas rendas provavelmente nunca experimentarão o lado obscuro de Dubai, onde o sofrimento dos trabalhadores é escondido da mídia.

Farhad diz que ficou tão emocionado ao ver esta realidade que decidiu criar a série de fotos.

Ele afirma: “Eu não tentei obter permissão porque essas áreas são restritas ao público e eu tinha certeza que não teria sucesso, já que os Emirados Árabes Unidos não querem mostrar este aspecto do seu país. Então, eu tirei fotos à noite, quando era muito mais fácil me esconder da segurança. Assim que comecei a entrar em contato com os trabalhadores e a conhecê-los, percebi que eles estavam com medo de mim.”

Depois de um tempo, um dos trabalhadores que falava inglês disse a Farhad que temia que ele fosse do governo.

Ali Sadam em Dubai
Ali Sadam, 24, trabalha como faxineiro há dois anos e mora com cinco colegas de quarto em Sonapur

Ele acrescenta: “Na maioria das vezes eu dormia no meu carro e esperava até escurecer para poder fazer meu trabalho.”

Apesar de seus esforços, o fotógrafo foi preso e interrogado.

“Fingi ser um turista perdido e o segurança queria me denunciar à polícia, pois a área dos trabalhadores está proibida de fotografar”. Eles o deixaram ir.

O fotógrafo iraniano espera que esta série faça as pessoas pensarem duas vezes sobre o que acontece ao seu redor e, se ficarem comovidas com o sofrimento, podem ser encorajadas a fazer algo para ajudar.

“Acho que tratar os humanos com tanta crueldade é ir contra seus direitos, mas isso ainda existe à nossa volta”, disse ele.

“Não posso dizer a ninguém o que pensar das imagens, mas acredito que falam por si.”

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Para entrar em nosso canal no Telegram, clique neste link