O muito que vale um voo com Darcy Ribeiro. Por Hildegard Bogossian

O muito que vale um voo com Darcy Ribeiro – (Foto: Renato Aroeira)

Esse texto é em honra a Darcy Ribeiro, que tive a sorte de ter como vizinho de poltrona, em voo em que retornávamos do Amazonas, lá pelos idos de 1977. Acho que ele não gostava de avião. Eu tão menina. Olhos dele brilhando, falando tudo de lindo que é o Brasil, até o pouso no Galeão.

A charge é o chicote do Aroeira mais atilado do que sempre.

Volto a falar do impeachment grotesco, ilegítimo, pilantra, que todos os larápios de Congresso, mídia, Judiciário articularam contra o Brasil há 5 anos.

Impeachment corrupto, infame, com o fim precípuo de capturar nossas esperanças.

TRAIDORES DA PÁTRIA, traidores da pátria, traidores da pátria. E dói ainda mais ter visto Minas Gerais liderar essa infâmia contra o Brasil, articulada com o tenebroso tucano, o senador Drácula, chupa cabra, chupa sangue, que no golpe logou intento de entregar o pré-sal, pois no voto não levou.

Com que intento, José Serra? Engordar contas que os bancos da Suíça denunciaram?

Em seguida, assim como fizeram o ex-juiz Joaquim Barbosa, o ex-juiz Moro, que se evaporaram do cenário, o conde chupa Serra saiu de fininho, depois de o sangue brasileiro ser vertido, esguichando das veias da América Latina odiada por vocês, colonizados, que não se reconhecem como belamente são: caboclos, mestiços, mamelucos, mulatos, curibocas, cafuzos. Julgam-se “europeus”.

Leia também

1- Presidente da Caixa pede reunião na Febraban e tenta derrubar manifesto pela democracia

2- Bolsonaro desiste de manter Lei de Segurança Nacional e escolhe Centrão contra militares

Doente pervertido

Sim, o Brasil é a grande pátria latina, que seus vizinhos influencia, e guarda essa força bela, pujante de indígenas e negros escravos.

Nossos irmãos espoliados, como nós, pelos colonizadores europeus e o Império americano.

E todos fazem mesuras, salamaleques, ao chupa Serra. Os tucanos foram e são lesa-pátria. Precisam ser tocados pra fora de nossas fronteiras. Como inimigos públicos no. 1. Agem como se fossem a Família Imperial do Saber. Não são. Foram venais, trabalharam tenazmente para entregar o Brasil.

Perdoem-me a indignação. Eles erraram a mão, o objetivo era mesmo fazer papel triste, mas não era pra ninguém perceber.

Quanto ao Guedes, homem de chorume nas veias, se benza, fecha o corpo, porque é a pessoa mais odiada do Brasil.

Granada nos bolsos de Guedes é carinho (a ideia foi dele).

Bolsonaro é um doente pervertido. Só merece desprezo e prisão.

(Texto originalmente publicado em JORNALISTAS PELA DEMOCRACIA)