Youtuber Maicon Küster pede R$ 100 mil de indenização da Record, que o associou a um pedófilo

Maicon Küster. Foto: Reprodução/YouTube

Por Caique Lima

Em ação, o youtuber Maicon Küster pede no mínimo R$ 100 mil de indenização a Record por associar sua imagem à de um pedófilo.

O caso ocorreu em agosto, quando a emissora veiculou uma notícia sobre a prisão de um pedófilo e ilustrou-a com a foto de um perfil fake do abusador, que usava uma imagem de um dos personagens do youtuber, dizendo ser o criminoso “de peruca”.

A notícia foi veiculada no Domingo Espetacular, que no dia teve 8,1 pontos de audiência, segundo o Ibope. Mas o pedido de desculpas, feito um dia depois, não chegou a todos os espectadores: a retratação da emissora, no Jornal da Record, teve 7 pontos de audiência.

Por isso, outro pedido de desculpas foi feito, após uma notificação de seu advogado, no Domingo Espetacular seguinte, com 9,1 pontos de audiência.

Mesmo após o posicionamento da emissora, o youtuber decidiu processá-la.

O juiz do caso, Marcelo Augusto Oliveira, da 41ª Vara Cível, já pediu uma contestação da Record. Em 2019, ele foi responsável por condenar o filho do dono da emissora por xingar uma massagista no Twitter.

O cantor gospel Moyses Macedo, filho de Edir Macedo, teve de indenizar em R$ 40 mil uma funcionária da Record que prestava serviços de massagem por xingamentos e humilhação a ela.

“A ação tem caráter educativo”, diz advogado

João de Senzi, o advogado de Maicon Küster, falou ao DCM e afirma que notificou a emissora na mesma semana em que a matéria foi exibida.

A notificação gerou mais um pedido desculpas, mas o youtuber decidiu processar a Record assim mesmo:

“A própria lei diz que o exercício de direito de resposta não impede indenização por dano moral”, afirma João.

“Algumas pessoas foram atrás de ‘Maicon Küster pedofilia’ no Google. Na minha concepção jurídica, isto é um abalo da imagem. O erro já foi feito, pessoas ficaram em dúvida sobre o caráter dele, a índole dele, mesmo que momentaneamente. Depois, tudo foi esclarecido, mas o dano foi feito”.

Volume de buscas por “Maicon Küster pedofilia” no Google após o erro das emissoras. Foto: Reprodução

Ele ainda relata que alguns colegas chegaram a perguntar se o youtuber não teria nada a ver com o crime em questão após a divulgação da notícia

Maicon Küster também irá entrar com uma ação contra o SBT, que exibiu o perfil fraudulento do abusador sem explicar quem de fato estava na foto:

Pedófilo usou a foto do personagem “Loren Tralha”, personagem de Maicon Kuster. Foto: Reprodução

“No direito civil, as indenizações têm uma caráter também educativo. No sentido de fazer com que a pessoa não venha a cometer o mesmo erro de novo. Eu quero este caráter educativo e punitivo da indenização para ver se eles [da Record] aprendem de uma vez por todas”

“A ação do Maicon não é por dinheiro em si, é para estimular outras pessoas a fazerem o mesmo. Muita gente não processa a Record, teria muito mais ações contra a emissora”, completa.

Condenações da Record

Este não é o primeiro processo contra a Record por este tipo de erro. Nos últimos 10 anos, a emissora foi condenada pelo menos 13 vezes por danos morais. 

Foram desembolsados pelo menos R$ 800 mil em indenizações por, entre outros motivos, imputar falsamente crimes a inocentes.

A emissora já acusou de estupro um homem absolvido pelo crime, já acusou um padrasto de assassinar a própria enteada e até humilhou e expôs uma criança de 8 anos, por exemplo.

“Eles já foram muito condenados e ainda não pararam com estas atitudes. Este é um dos meus argumentos jurídicos para o valor que estou pedindo”, completa João de Senzi.