Mesmo após retratação, Maicon Küster processará Record, que o associou a pedofilia: “calúnia”, diz advogada

Maicon Küster. Foto: Reprodução/YouTube

Por Caique Lima

O youtuber Maicon Küster vai processar a Record mesmo após pedido de desculpas da emissora por tê-lo associado ao crime de pedofilia.

“Vou dar andamento no processo para que sirva de gatilho para que outras situações como essa não aconteçam novamente”, escreveu em seu Twitter.

No dia 20 de junho Syllas Souza foi preso acusado de abusar de mais de 60 crianças

O suspeito utilizava perfis falsos nas redes sociais para contatar as vítimas. 

Ao noticiar o fato, o SBT expôs uma das contas fraudulentas, “henriquezaando”, cuja foto não pertence a ele: é “Loren Tralha”, personagem de Maicon Küster.

Emissora exibiu foto de “Loren Tralha”, personagem de Maicon Küster. Foto: Reprodução

Sem explicar quem é o personagem da foto, a emissora publicou um print como se ele fosse o criminoso.

O youtuber reclamou do acontecido e se disse “incrédulo” com o fato:

“Várias pessoas que não me conhecem podem achar que, de alguma maneira, posso estar associado a esses crimes. Imagine eu ando na rua e um pessoal começa a me espancar achando que sou aquela pessoa?”

A situação piorou neste domingo (2), no entanto.

O programa Domingo Espetacular, da Record, noticiou o mesmo caso e afirmou que a foto de perfil era Syllas “de peruca”:

Maicon Küster possui 2,45 milhões de inscritos em seu canal do YouTube e 1 milhão de seguidores no Twitter.

Após afirmar que irá processar a emissora, a hashtag #RecordLixo virou trending topic do Twitter.

A Record publicou uma nota na qual lamentou o ocorrido e afirmou que “houve um equívoco ao apontar a imagem de um dos perfis como sendo a do pedófilo, quando, na verdade, ele usava fotos obtidas na internet”.

Mais tarde, durante a exibição do Jornal da Record, a emissora voltou a pedir desculpas e corrigiu a informação ao vivo:

Além do pedido de desculpas, todos os vídeos com o erro foram excluídos da internet.

O youtuber agradeceu ao público, mas lamentou que se “não tivesse o privilégio de ter um grande público, isso ficaria impune”.

Ele afirmou que o pedido de retratação não é o suficiente e que irá dar prosseguimento ao processo:

“Eu já tenho uma equipe jurídica ao meu dispor que está analisando e cuidando do caso. Não vai ser fácil, não é um processo comum, é um processo demorado”.

“Eles podem responder pelos danos causados à imagem”, diz Sabrina Sahid Pacheco, da CGS advogados.

Ela conta que eles podem responder tanto na esfera penal, quanto na cível:

“O tipo de acusação veiculada pela TV Record, na seara penal, pode configurar crime de calúnia, já que eles imputaram falsamente a alguém fato definido como crime. Na seara cível, eles podem responder pelos danos causados à imagem da pessoa que foi acusada falsamente”.

Segundo a advogada, isso gera a responsabilidade de uma reparação pecuniária: ou seja, cabe indenização.

“Os danos morais já foram feitos” e o andamento do processo não se dará por motivos de indenização, segundo Maicon, mas para que casos deste tipo não passem despercebidos e a emissora não fique isenta de responsabilidade:

“Se fosse um anônimo que não tivesse o poder de engajamento nas redes sociais como eu, esse caso teria ficado impune e coisas piores poderiam ter acontecido a minha pessoa”.

Segundo a advogada, apesar da dificuldade de julgar as possibilidades da ação ser bem-sucedida, a probabilidade de que a Record seja inocentada é pequena:

“Considerando a natureza das provas que evidenciam a exposição equivocada do acusado, bem como a imputação falsa de crime”, explica.

“Processos dessa natureza, onde a repercussão negativa é considerável e os danos à imagem de uma pessoa pública é evidenciado, costumam ter desfecho favorável à pessoa prejudicada”.

Quem é Maicon Küster?

O youtuber faz vídeos de humor na internet há alguns anos.

Um dos carros chefes de seu canal é o “Küsterverso”: um universo onde um grupo de personagens que representam estereótipos interagem entre si.

Eles possuem, inclusive, uma série (“A República do Maicão”) e alguns (como Loren Tralha, Lucas Hype, Lil Lixo e Lilly) fazem músicas.

O público de Maicon Küster é composto principalmente por adolescentes e é bastante comum que criem perfis com fotos dos personagens de seu canal.

Fãs de Maicon Küster usam fotos de seus personagens no Twitter

“A comunidade do Küsterverso é gigantesca e como são adolescentes de 13, 14 e 15 anos que usam grande parte desses perfis fakes de alguns personagens, eu entendi que esse cara usava disso para entrosar entre esse pessoal mais novo”, disse Maicon.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!