Alegando insensibilidade de Bolsonaro, deputados querem elevar Auxílio Brasil para R$ 600

Bolsonaro e Guedes
Guedes está caindo e Bolsonaro tem popularidade desgasta

Engana-se quem pensa que a questão do Auxílio Brasil de R$ 400 está liquidada. Não está. Ao menos na câmara dos deputados, onde cresce o movimento para elevar o valor para R$ 600.

O DCM confirmou com diversos líderes partidários e essa é a intenção dos deputados: o Centrão quer usar o benefício para tentar ressuscitar a popularidade de Bolsonaro.

A estratégia da oposição é outra: forçar a barra nos R$ 600 para mostrar a insensibilidade do governo num momento em que a pandemia ainda assusta e o país vive uma de suas piores crises econômicas em décadas, comparável apenas ao último período do governo de José Sarney, no pós-ditadura.

Não por acaso o clima no governo e na câmara é o pior possível para o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Leia também:

1. Bolsonaro diz que Guedes fica no governo e reclama do “mercado”

2. “Ninguém aguenta mais o Paulo Guedes”, diz ministro de Bolsonaro

3. 3ª via tem de mirar Bolsonaro em 2022

O ‘Posto Ipiranga’ de Bolsonaro, cuja grande obra desde que assumiu o ministério foi turbinar seus investimentos em dólar no exterior, aproveitando a desvalorização do Real diante da moeda americana, é visto com insensível, incompetente e demasiadamente apegado ao cargo.

Inicialmente, Guedes e Bolsonaro queriam dar R$ 200

O que se passa agora é o mesmo que ocorreu em abril do ano passado, no auge da pandemia.

Inicialmente, a equipe econômica queria conceder R$ 200 de auxílio. Em seguida, após pressão, admitiu elevar o valor a R$ 300.

No fim, Bolsonaro acabou vencido pela câmara e teve de aumentar o valor para R$ 600.

É o que os deputados pretendem agora: forçar o mandatário a manter os R$ 600, valor considerado mínimo diante da crise ocasionada pela pandemia e pela inércia desta que já se notabilizou como a pior gestão da história do país.