Alexandre de Moraes nega pedido de Zé Trovão e mantém prisão preventiva

Foragido, Zé Trovão volta a desafiar Moraes
Zé Trovão. Foto: Reprodução

O ministro do STF Alexandre de Moraes negou o pedido para que fosse revogada a prisão preventiva do Zé Trovão. O magistrado destacou que o caminhoneiro pediu asilo político ao governo do México. Segundo ele, Marco Antônio tem o objetivo de “burlar a aplicação da lei penal”.

O bolsonarista ficou conhecido por ser um dos organizadores dos atos golpistas em defesa de Bolsonaro. Nos dias 6 e 7 de setembro, apoiadores do presidente ameaçaram as instituições. E ainda insultou os ministros Moraes e Luís Roberto Barroso, presidente do TSE.

Com toda a confusão, Trovão fugiu para o México depois que o magistrado decretou prisão preventiva. A alegação é que o caminhoneiro teria sido responsável pela organização dos atos contra o STF e o Congresso.

Os deputados Vitor Hugo e Carla Zambelli apresentaram um HC em favor do foragido. Só que Edson Fachin negou. Eles disseram que o caminhoneiro não apresentava mais riscos para cometer novos crimes.

Leia mais:

1 – Lewandowski cobra explicações a Alcolumbre sobre sabatina de Mendonça

2 – Live das 5 – Bolsonaro antecipa live na ONU; CPI acaba em baixaria após ataque miliciano de chefe da CGU

3 – Bolsonaro ‘vence’ narrativa e maioria acha que preço dos combustíveis é culpa de governadores, diz pesquisa

Alexandre de Moraes nega pedido de Zé Trovão.

“A prisão não foi efetivada até o presente momento, pois, conforme amplamente noticiado, o investigado evadiu-se do território nacional, fato por ele admitido, firmando esconderijo no México, após transitar pelo Panamá, de onde continuou a publicar vídeos incentivando atos violentos de protesto e a ofender a instituição do Supremo Tribunal Federal, revelando seu completo desprezo pelo Poder Judiciário”, diz o documento.

“A jurisprudência desta Corte é pacífica no sentido de que a fuga do distrito da culpa constitui fundamento idôneo para a manutenção da prisão preventiva, não só para a garantia da ordem pública, mas também para assegurar a aplicação da lei penal”, acrescentou.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!