Blogueiro bolsonarista Wellington Macedo vai para prisão domiciliar e deixa Papuda

O blogueiro Wellington Macedo de Souza
Blogueiro Wellington Macedo de Souza. Reprodução

O blogueiro bolsonarista Wellington Macedo deixou o Complexo Penitenciário da Papuda na madrugada desta sexta (15). Ele vai para prisão domiciliar após Alexandre de Moraes acatar petição, segundo sua advogada, Mônica Holanda.

Ele foi preso em 3 de setembro, por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é acusado de promover os atos golpistas de 7 de setembro. Agora, vai para regime domiciliar por problemas de saúde, segundo o Metrópoles.

“Ele está profundamente deprimido, é acompanhado pela equipe médica da penitenciária e não tem conseguido se alimentar. Ele emagreceu 18 kg desde que foi preso”, diz a advogada. Segundo ela, Wellington ficou “abalado com a prisão” e não conseguia comer.

Leia também:

1 – Youtuber diz que milionário cirista lhe ofereceu dinheiro para atacar Lula

2 – Flávio demitiu da loja de chocolates funcionária grávida e sem registro em plena pandemia

3 – Orçamento para 2022 prevê calote no INSS

Comissão do Ministério de Damares visitou blogueiro bolsonarista

No fim do mês passado, uma comissão do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos (MMFDH), chefiado por Damares Alves, visitou Macedo. Segundo o grupo, ele estava “visivelmente abalado psicologicamente, o que implica na sua dificuldade em se alimentar e, por conseguinte, debilidade física”. O relatório da pasta foi usado na defesa do blogueiro.

Cearense e apoiador do presidente Jair Bolsonaro, ele é alvo da PF desde 20 de agosto.

O blogueiro, naquele mês e por duas vezes, publicou declarações do cantor Sérgio Reis em que o cantor afirmava que o Brasil teria problemas caso as solicitações do artista não fossem atendidas. “Se eles não obedecerem o nosso pedido, a cobra vai fumar”, diz uma das publicações.

O Blog do Eliomar, do jornal O Povo, trouxe o pronunciamento do jornalista cearense, no qual ele afirma ser “militante da verdade e da notícia”, além de considerar-se “apenas um jornalista”.