A solução de Bolsonaro para a crise Hidrelétrica: Térmicas de carvão que destroem o Meio Ambiente

BNDES Bolsonaro
Projeto de Bolsonaro foi barrado pelo BNDES

O presidente Jair Bolsonaro quer renovar as plantas de usinas térmicas movidas a carvão. Uma das fontes de energia que mais poluem. É uma forma dele solucionar a crise hidrelétrica do país. Porém, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) barrou. Isto porque a entidade apenas apoia projetos de energia limpa. Isso significa que não colocará dinheiro no programa por enquanto.

De acordo com o Estado de S. Paulo, o governo aponta injetar R$ 20 bilhões em usinas térmicas de carvão mineral pelos próximos 10 anos. É uma forma de renovar o atual parque que funciona no Brasil.

Sete usinas estão localizadas na região Sul, isto porque 99,97% das reservas existentes de carvão do país se encontram nesta região. O que chama a atenção é o fato de Bolsonaro não ter o menor compromisso com a geração de energia limpa. E nem reduzir as emissões de gases do efeito estuda, o que prejudica a imagem internacional do Brasil.

Leia mais:

1 – “É mais seguro tomar vacina do que se infectar com a covid”, diz médico com 40 anos de experiência

2 – Live das 5: Bolsonaristas pedem “Fora Queiroga” após ministro defender passaporte sanitário

3 – Quem são os oito militares condenados pelo assassinato de Evaldo

BNDES se manifestou sobre projeto de Bolsonaro

O banco se posicionou sobre o assunto e deixou claro que não falta dinheiro para o investimento. O problema, segundo a instituição, é a maneira que o assunto tem sido tratado. O recurso só é investido em construção de uma matriz energética “diversificada e limpa”.

Isso vai na contramão do que afirmou o Ministério de Minas e Energia. A pasta relatou que a decisão do BNDES foi por causa de “prioridades” de investimentos. Tudo isso por causa da “restrição de recursos”.

Desde 2016 o banco público não investe dinheiro em usinas movidas a carvão mineral. De lá pra cá, foram investidos R$ 27 bilhões no financiamento de projetos de geração hídricas, solares, biomassa e eólicas. Já 12 projetos de usinas térmicas e a gás receberam R$ 7,7 bilhões nos últimos cinco anos.