Bolsonaro lançou sua nova cartada, com a cumplicidade de Queiroga. Por Luis Felipe Miguel

Bolsonaro e Queiroga
Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Getty Images

Publicado originalmente no Facebook do autor:

Por Luis Felipe Miguel

Eu, como sempre ingênuo, achei que Bolsonaro ia surfar no sucesso da vacinação.

Boicotou o quanto pôde. É diretamente responsável pelo atraso no cronograma e pela existência de tantos bolsões negacionistas que resistem a se vacinar, assim como é diretamente responsável pelo nosso registro de 600 mil mortes.

Mas faz parte da lógica política mais básica usurpar os louros depois que a conquista está dada. E tudo indica que caminhamos para uma vitória sobre a pandemia.

Leia também:

1 – Queiroga lamenta, em coletiva desastrosa, que os estados estão vacinando muito rápido

2 – Queiroga questiona anticorpos do chefe: “O senhor precisa se vacinar”

3 – Presidente mandou Queiroga suspender vacina para adolescentes

Só que Bolsonaro não desiste

Lançou sua nova cartada, com a cumplicidade do ministro da Saúde, para tumultuar a vacinação, que finalmente está chegando nos adolescentes.

Tem algum cálculo político nisso? Certamente. Mas não é um cálculo razoável para alguém que, segundo dizem tantos comentaristas da imprensa, agora se resignou a não dar novo golpe e quer se reeleger no ano que vem.

Talvez Bolsonaro seja, como escreve agora um colunista da Folha que ajudou a elegê-lo em 2018, “perverso, demente e incapaz”. Ou talvez não haja tanta demência em sua perversidade e ele esteja, de novo, apostando na mobilização de sua militância minoritária, mas disposta a tudo.