Milhares de chilenos vão às ruas lembrar o 11 de Setembro da ditadura

Todos os anos, no dia 11 de setembro, partidos de esquerda do Chile realizam manifestações para lembrar a memória de Salvador Allende e condenar o golpe militar de 1973; – Foto: PCCh

Milhares de chilenos vão às ruas lembrar o 11 de Setembro da ditadura

Manifestantes em defesa dos direitos humanos, no Chile, realizaram neste sábado uma marcha para relembrar o assassinato do presidente Salvador Allende, derrubado pelo general Augusto Pinochet, que há 48 anos liderou o golpe contra o governo popular.

Durante a passeata, quando os manifestantes passaram pelo Palácio de Moneda, tocaram o último discurso de Allende que proferiu momentos antes de ser executado em 11 de setembro de 1973, após se recusar a se render ao exército golpista. A marcha por Santiago, no entanto, foi reprimida pelos Carabineros ao passar pelo palácio de La Moneda.

Leia também

1; Ana Paula do vôlei passa pano para Bolsonaro após presidente ‘arregar’ para o STF

2; Moraes pode decidir medidas contra Bolsonaro em três inquéritos

3; Barroso aponta “lições” dos atentados de 11 de setembro; “triste momento da história recente”

Multidão

Em resposta, fogos de artifício foram atirados contra os policiais, que responderam com bombas de gás lacrimogêneo. O prefeito de Santiago Irací Hassler (PC) participava da marcha que chegou ao cemitério geral onde foram homenageadas as vítimas do golpe militar.

Atos diversos em memória de Salvador Allende aconteceram, ao longo do dia, também em cidades chilenas como Valparaíso, contra a ditadura de Pinochet.

No cemitério, os Carabineros tentaram entrar no Memorial dos Detidos e Desaparecidos usando gás lacrimogêneo e canhões de água, quando já havia milhares de pessoas lá dentro esperando para homenagear as vítimas de 11 de setembro de 1973, mas foram repelidos pela multidão que compareceu ao ato público.

(Texto originalmente publicado em CORREIO DO BRASIL)