A culpa não é dos doidos, é das máfias da cloroquina. Por Moisés Mendes

Publicado originalmente no blog do Moisés Mendes

Bolsonaristas se manifestam contra vacinação e a favor da cloroquina. Foto: Reprodução
Manifestação de Bolsonaristas contra a vacina. Foto: Reprodução

O jornalista Elio Gaspari cita Machado de Assis, O Alienista, Dom Pedro II e outros personagens, em sua coluna na Folha e no Globo, para fazer volteios e concluir que Bolsonaro e os receitadores e traficantes de cloroquina fizeram o que foi feito porque são doidos.

Gaspari é retardatário de uma tese manjada. Segundo o jornalista, a disseminação de cloroquina é obra de gente louca. É um mico que ele, com a reputação que tem, não poderia pagar.

A CPI já descobriu, com fartura de documentos, que não há doidos nas ações das facções que negociam a cloroquina.

Leia mais:

1. Datafolha: Bolsonaro chega a 2022 com a maior carga eleitoral negativa desde a redemocratização

2. Sérgio Camargo diz que celebridades negras homenageadas pela Palmares integrarão ‘lista da vergonha’

3. Estudo francês conclui que vacinas reduzem risco de internação e morte por covid em 90%

A cloroquina como milagre é obra de espertalhões, que usaram as redes da extrema direita, virtuais e reais, e mobilizaram ingênuos, ignorantes e outros espertalhões para enganar as pessoas e induzir famílias desesperadas à desinformação, ao erro e à morte.

Não há doidos nessa história. Os doidos não têm nenhuma relação com os crimes das quadrilhas da cloroquina, que estavam interessadas em dinheiro e nos negócios da morte.

Não ofereçam atenuantes aos criminosos da cloroquina com essa história de doidice. Um jornalista veterano não pode cometer esse erro, ou será que não é um erro?