Denúncia de fraude sela a sorte no PSDB e Doria pode alugar partido nanico para morrer de pé em 2022

Doria
Sem Doria, debate acontecerá na próxima terça-feira com os demais pré-candidatos – Foto: Reprodução

A denúncia de que o grupo de João Doria adulterou a data de filiação de 51 prefeitos e 49 vices para votar nas prévias do PSDB vai custar caro ao governador de São Paulo.

O DCM apurou que o diretório nacional da legenda não vai punir o gestor, que disputa com Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, e Arthur Virgílio, ex-prefeito de Manaus, mas vai anular as 100 fichas, impedindo todos de votarem em 21 de novembro.

Leia também

1. Convenção do PSDB que homologou nome de Doria em 2018 aboliu título de eleitor e cobrou CPF do votantes

2. Eduardo Leite tenta se defender de voto a Bolsonaro: “Vão culpar todos?”

3. O Globo remove “promoção” para quem assistir debate das prévias do PSDB

Com a casa pegando fogo em seu próprio estado – São Paulo tem o maior número de delegados, 25% do total de votantes -, Doria praticamente dá adeus ao sonho de disputar a presidência pelo PSDB em 2022.

No partido, a vitória de Eduardo Leite já é dada como certa.

As previsões apontam que o governador do RS tem 70% de apoios fora de São Paulo.

Mas Doria não pode ser dado como galinha morta.

Ele tem um plano B para deixar a vida pública em pé, lutando.

Caso a derrota interna se confirme, quer sair do PSDB, alugar um partido nanico e tentar a sorte, levando junto o vice Rodrigo Garcia, que é seu indicado para disputar o governo do estado.

Alckmin está rindo sozinho

Quem está rindo sozinho é Geraldo Alckmin.

O ex-governador, que inventou Doria e depois foi traído, nem considera mais a hipótese de deixar o PSDB.

Alckmin aguarda o naufrágio do gestor para se cacifar para tentar administrar São Paulo pela quinta vez pelo PSDB.