“Violência doméstica nunca é coisa de ‘mulher de malandro'”, diz Lilia Schwarcz a Joice Hasselmann

Publicado em 25 julho, 2021 1:43 pm
Lilia Moritz Schwarcz e Joice Hasselmann. Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

A antropóloga Lilia Moritz Schwarcz escreveu um artigo para o Universa, no UOL, sobre a postura da deputada Joice Hasselmann (PSL) após a agressão que sofreu em Brasília.

LEIA – “Eu preferi tratá-la em casa para que ela melhorasse”, diz o marido de Joice Hasselmann sobre o “atentado”

“A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) ganhou de novo as manchetes de jornais. Desta vez, por conta de um episódio que se parece muito com violência doméstica: ela conta que acordou no fim de semana com o rosto cheio de fraturas e hematomas, sem se lembrar do que aconteceu. A parlamentar, no entanto, afirma ter sido vítima de um atentado.

LEIA MAIS – O mistério em torno da violência sofrida por Joice Hasselmann. Por Lola Aronovich

Mas chama atenção o fato de Joice fazer questão de negar a possibilidade de violência doméstica. Além de afirmar que saiu do primeiro casamento por conta de abuso, ainda alega que seu marido, médico, seria o último a tomar tal tipo de atitude.

O fato é que está difícil de engolir a total nebulosa em que a situação é mantida por Joice. Prefiro deixar esse mistério para a polícia e para os jornalistas.

Gostaria, no entanto, de me dedicar à frase dita pela deputada: ‘Vamos combinar, não tenho o menor perfil de mulher de malandro’. Trata-se de um provérbio preconceituoso e machista, mesmo tendo sido dito por uma mulher que, aliás, está sofrendo e merece nossa solidariedade”.

E completa:

“Por sinal, Joice Hasselmann, se for o caso, deveria usar o incidente que ocorreu com ela e dar exemplo para todas as mulheres brasileiras. Hora de dizer ‘não’ a qualquer tipo de violência. É preciso denunciar abusos psicológicos, morais, simbólicos e físicos. Esconder em baixo do tapete, camuflar e jogar a fantasia no colo alheio nos fará, todas, todos e todes, menos. Nunca mais.

Dito isso: toda a minha empatia para com o sofrimento da deputada, seja lá o que tenha ocorrido. Tolerância zero contra qualquer forma de violência!”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!