O fracasso de Ciro Nogueira: ministro havia prometido impedir pedido de impeachment de Moraes

Ciro Nogueira
Fux e Ciro Nogueira – Foto: Reprodução/Redes sociais

Ciro Nogueira (Progressistas) se tornou Ministro da Casa Civil com a missão de restabelecer a harmonia entre os Poderes. Mas ele fracassou. Isto porque Bolsonaro enviou ao Senado o pedido de impeachment de Alexandre de Moraes. Nesta sexta (20), ficou clara que o político não tem a influência que imagina com o presidente.

Ao entrar no governo Bolsonaro, Nogueira conversou com Luiz Fux. No bate-papo, ele prometeu que os ânimos ficariam calmos. Inclusive, declarou que o diálogo seria retomado entre os três poderes.

A expectativa de todos era que o político fosse capaz de segurar Bolsonaro. Um grande engano. O presidente é incontrolável e apenas se alimenta de ódio e ataques. A promessa do senador licenciado não foi cumprida e a guerra entre os Poderes continuam.

Lula (PT) tinha avisado que a “união” Bolsonaro e Ciro não duraria muito tempo. O político chegou a rebater o ex-presidente. Só que em pouco tempo, provou-se que o petista estava certo. Conforme apurou o DCM, não pegou nada bem o pedido de impeachment.

Leia mais:

1 – Alexandre de Moraes em cinco atos: como ministro virou inimigo número 1 do bolsonarismo

2 – Impeachment de Alexandre de Moraes: Políticos contrários e favoráveis comentam pedido do presidente

3 – Quem é Alexandre de Moraes e como ele foi parar no STF

Ciro Nogueira e ninguém segura Bolsonaro

Muitos da classe política pularam fora do bolsonarismo porque compreendeu que é impossível controlar Bolsonaro. Boa parte já entendeu que o presidente quer apenas o confronto. O atual Ministro da Casa Civil garantiu que iria mudar essa realidade e faria os Poderes dialogarem em paz.

Mas os bastidores estão movimentados. Não se sabe ainda qual será a reação de Ciro Nogueira. Também não há qualquer pista se Rodrigo Pacheco vai negar o pedido ou deixará o documento na gaveta. Assim como outros 17 pedidos de impeachment contra ministro do STF.

Fato é que o senador licenciado não conseguiu alcançar seu primeiro objetivo. E agora poucos da classe política acreditam que ele conseguirá cumprir as outras metas.