Jornalista questiona se “o próprio vírus” autorizou o Twitter oficial do “Coronavírus Brasil”

Jornalista virou piada por questionar quem são os autores de página sobre o coronavírus
Paula Schmitt quer saber se “o próprio vírus” autorizou página no Twitter. Foto: Reprodução

Pelo Twitter, a jornalista Paula Schmitt virou piada ao perguntar à página oficial Coronavírus Brasil quem lhe deu autorização para existir. “Foi o príprio vírus que entrou em contato com o Twitter? Ou foi a galera de Wuhan e EcoHealth Alliance?”.

Ela questionou o perfil como se o próprio coronavírus o controlasse. Em resposta, a página pediu que ela consultasse o jornal em que trabalha, o Poder360. ” eles utilizam os dados que disponibilizamos e mantém contato conosco há meses, inclusive em todas as matérias com dados da vacinação constam os nomes dos administradores e colaboradores”, diz o “Coronavírus Brasil”.

Nas matérias, o site cita que a página “compila registros das secretarias estaduais de Saúde”. Ou seja, ao contrário do que a jornalista pensa, não é uma página pessoal do coronavírus.

Mesmo assim, Schmitt insiste em fazer perguntas sem sentido:

“Não vai responder a pergunta que eu fiz, Coronavírus? E quem tá digitando? Como vocês foram verificados e como detém o poder de falar em nome de uma doença?”

As respostas, como citou a página, estão contidas no site em que trabalha.

“Os dados são da plataforma coronavirusbra1, mantida por Carlos Achy, Leonardo Medeiros, Wesley Cota e voluntários, que compilam os números de vacinação divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde”, dizem textos do Poder360.

Leia também:

1 – Alcolumbre revela a aliados quando pretende marcar a sabatina de Mendonça

2 – Em reunião, Guedes se descontrola e chama ministro astronauta de “burro”

3 – Maurício Souza não pretende se desculpar por homofobia e já tem um plano fora das quadras

Quem é Paula Schmitt, jornalista que escreve no Poder360

A jornalista tem uma coluna no site Poder360, no qual escreve todas as quintas-feiras. Em seu Twitter, defendeu recentemente o Terça Livre, chama a máscara de “cabresto” e tambem compartilha publicações de Guilherme Fiuza, bolsonarista da Jovem Pan.

Em suas publicações no site em que trabalha, o tom é similar. Em texto publicado em agosto, “A vacina e a injeção na testa”, Schmitt duvida da eficácia das vacinas.

Segundo sua página no site, ela é mestre em ciências políticas e estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute. Foi vencedora do Prêmio Bandeirantes de Radiojornalismo, correspondente no Oriente Médio para o SBT e Radio France. Também atuou como colunista da Folha de S. Paulo e do Estadão.

 

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.